Últimas 100 Atualizações do Website via Twitter:

Pesquise todo o conteúdo do website Horus Strategy abaixo:
Loading

quinta-feira, outubro 27, 2011

Conflito tira Souza Cruz da DPZ

Conflito tira Souza Cruz da DPZ

Nova integrante do portfólio da Publicis, filial carioca da DPZ perde conta institucional e da marca Hollywood
Robert Galbraith| M&M

26 de Outubro de 2011 • 19:03



Hollywood, a "perda sentimental" da DPZ Crédito: Reprodução

A DPZ começa a sofrer a partir do fim deste mês sua primeira baixa como multinacional. Por conta do alinhamento global da Publicis, sua nova controladora, com a Phillip Morris, a filial carioca da agência deixará de atender a conta institucional da Souza Cruz e da marca Hollywood, uma das mais vendidas no País.

De acordo com os critérios de divisão da WPP do portfólio de contas da British American Tobacco (BAT), controladora da Souza Cruz, a Ogilvy deverá herdar a marca Hollywood, já que é agência responsável pelas contas regionais. A G2, nesse critério, atende as marcas premium e internacionais como Dunhill, Kent e Lucky Strike.

O destino da conta institucional, porém, ainda não está definido. Os trabalhos corporativos de 2011 foram divididos entre DPZ, G2 e as agências regionais da Souza Cruz, que não devem sofrer qualquer mudança por conta do novo alinhamento.

Na DPZ, a avaliação é de que se trata de uma “perda sentimental”, pois seus sócios-fundadores Petit e o Zaragoza chegaram a desenhar pessoalmente marcas, embalagens e ações para a Souza Cruz, como o famoso delta de Hollywood, criado por Francesc Petit.

Marcadores:

Bookmark and Share

terça-feira, outubro 25, 2011

System Of A Dilma

Marcadores:

Bookmark and Share

quinta-feira, outubro 20, 2011

Publicis Groupe: 3rd Quarter Results

http://www.eurobusinessmedia.com/Publicis-Groupe-video-Q-A-CEO-Maurice-Levy-comments-on-revenue-for-Q3-2011?utm_source=ceo-direct&utm_medium=bw

Interview transcript

EuroBusiness Media (EBM): Publicis Groupe, the world’s third largest advertising and communications group, reports its third quarter revenue. Maurice Lévy welcome. You are the CEO of Publicis Groupe. What are your comments on the group’s performance in the third quarter? Did the jitters in the financial markets and the uncertainty about Europe’s economic future in the past eight weeks have any notable effect or impact on client ad spending in the third quarter?

Maurice Lévy: In a context of uncertainty and financial turmoil, the numbers that we are releasing today are very good. And I’m very pleased, because we are posting an organic growth of 6.4%, which is coming on top of 9.2% last year. So it’s a very good performance and I’m very pleased and very thankful also for our teams and our clients. If we look now at how this has been done, I think it’s quite interesting, because what people are considering as the old fatigued market, such as the US or Europe, we see that they have been performing extremely well. Solid growth. And if you notice that we have France and Germany above 10%, this is quite a performance. So we are pleased with the numbers released. However, we have to look at the current situation and the context in which this has been achieved. We all know that since the end of July, beginning of August we have been caught in a kind of turmoil, not only regarding the debt of the countries in the Euro zone, but also with the deterioration or the downgrading if you prefer, to be very candid, of the US credit note which has lost a notch. So, in this context, with all these issues, we have seen a very good resistance of our clients and, by the way, I think it’s important to notice that we have seen very little erosion. Very little cuts, it has not been the situation that we have seen in 2008 or 2009 where cuts were coming massively, every time we were picking up the phone, it was to get bad news. So, we are getting some bad news, but not really, neither at the speed nor at the magnitude of what we have seen in the past. All this is giving me good feeling of confidence.

EBM: You spoke of mature markets. What about emerging markets in this third quarter?

Maurice Lévy: We have been very pleased with the performance that we have seen in China. Greater China has been at 10% of growth, coming back from this situation which was with a much slower growth. A very good performance in Russia as well as in Brazil. So when we look at the emerging markets we are very pleased with what we are witnessing currently.

EBM: How does the month of October look so far compared to the third quarter?

Maurice Lévy: It’s still a little bit early to know, but what I can say is about the information on cuts, on budget cuts, and the information on budget cuts remains relatively low. So again we are not seeing a reaction of our major clients considering that they should cut heavily their media expenditures and we are not witnessing a panic. Probably the main reason for that is the fact that in 2008/2009 they were all concerned about the risk of the credit crunch and today their balance sheets are very solid and they are all cash positive or they have a level of cash which is very good. So for the time being – and we will have to see what will happen at the end of the year – we have a relatively good situation. For Q4, which is the last quarter, we will be facing in fact two hurdles. One is the comps. When we are comparing Q4 2011 to Q4 2010, we have to take into account that the last quarter of last year was up by 12.5%, which is making comparison very difficult. On top of that, what we do know is that in the weeks to come, the next four or five weeks, clients may cut more heavily, because if the sales and the profit are not there, they will cut massively the media expenditures and their advertising or marketing expenses. This is something which is a phenomenon that we are familiar with, because every year they are using marketing expenditures as an adjustment to their profit. So either they have very good profit and they spend more in order to gain market share or they are in a situation which is a little bit tight and what they are doing is to reduce their expenditures in order to bring the money down to the bottom line and to have a better profit. So this is the unknown factor for which we don’t know. I prefer to say the reality – we don’t know. We don’t know what will be the reaction, but if this is neutralized, we are quite confident for the full year and we have the feeling that the full-year 2011 will be a good year and that will be delivering a growth which is ahead of the market.

EBM: General Motors opened a competition for its global media business. Given that you have GM’s US media business, should we view this global competition as a risk or an opportunity for you? What are the chances that, even if you do win this competition, it will be lower margin business as a result of the call for bids?

Maurice Lévy: As always when there is a competition, it is a risk and an opportunity. It happened that so far we have some of the greatest brands and the rate of success that we have with both Starcom MediaVest and Zenith Optimedia is very high and we have probably the very best operation on the market. So I’m very confident that our teams will do their very best and I’m sure that they will do whatever it takes to convince the client that we are the right choice. But, as I said, who knows? But I’m quite confident on that aspect and I believe it is much more an opportunity than a risk and I hope that it will convert into something positive. Regarding the margin and the pressure, we have here an example of what we are living every day and our everyday life is about the fact that the clients are looking for efficiency, they are looking to reduce costs, they are looking to spend less and this is our bread and butter every day. This is what we are having in every relationship with all our clients. So we have to deal with this and the way for us to protect our margin is to lower our cost and to work differently, to use more technology, to find solutions, to have deals which are protecting our margin. All this is something which can happen as long as we are able to best serve the client. If we are bringing innovation, quality, performance, if we are bringing solutions which are more efficient and where the effectiveness of advertising, the effectiveness of the strategy is such that at the end of the day the client is getting more space for less dollars, or more impact for less dollars, or more contact for less dollars, it works in our favour. So, we are confronted with this kind of situation every day and I do hope that not only will we be able to retain the piece of business that we have, but that we will be able to gain a few more markets and at the same time to show the client that we can bring efficiencies while we will be protecting our margin. It’s a difficult challenge, but as I said, this is what we are doing every day.

EBM: What is your update today on your digital activities, notably the integration of Rosetta and the outlook for that acquisition?

Maurice Lévy: We are very pleased with the integration of Rosetta and we are very pleased with the way we are working with Chris and his management. So everything is working in the right direction. We have no big surprise and as you know, we have a process and a philosophy and a culture which is helping us a great deal when it comes to integrating newly acquired operations and this is working exactly in the same format and with the same speed as the former acquisitions that we have made. So this is not a concern. Regarding our digital activities, we are quite pleased because we already have reached the bar of 30%. We are slightly ahead and this was expected to be reached a little bit later. So this is fantastic and we are extremely pleased. On top of that, I think that it’s very important that when you look at digital, it is clear for all the platforms, for everyone who is working in that field, that the pioneer in this sector as far as advertising is concerned is the Publicis Groupe. We are inventing new formulas. We are creating new systems. We are creating new technology. We have been inventing AOD that is today the standard for the profession. We have created the video format for AOD which has been launched in March this year, well ahead of all our competitors and they are following in our steps. We are now dealing with AOD and video with Facebook. So we are clearly well ahead of all the competitors in that field and I believe that we will continue to strengthen our leadership position.

EBM: You have budgeted roughly €700 million for acquisitions, and a significant portion of that was already spent on Rosetta. Should we still expect you to be making more acquisitions by the end of this year?

Maurice Lévy: As you said, we have spent most of our money already on Rosetta and we have probably spent, for the first nine months, about €750 million. So we have a few more acquisitions to be made from now to the end of the year, nothing highly noticeable, so I think that we will be in the region of €820/30 million. The few things that we are negotiating currently concern China and a few other emerging markets.

EBM: And finally, one of your main competitors sees the advertising market growing by only 3% in 2012, whereas your own Zenith Optimedia projects 5.3% growth of the advertising market next year. Where do you personally stand on your outlook for the Group in 2012? Do you have any early feedback you can share with us on client budget setting for 2012?

Maurice Lévy: The current indication that we have is that the Zenith Optimedia forecasts seem to be relatively solid. But as you have seen in the recent weeks, the forecast has been changed several times and we had in July 5.9%, it is now in October 5.3%. We are considering that the market will probably be in the region of 5% and when we look at the history of what has been the forecast of Zenith Optimedia, they have been mostly on the ball park of the actuals. So they are pretty reliable. We are considering that this level is achievable. We are obviously very cautious and the information we have from our own clients is also to be relatively cautious. However, when we put all the numbers, including the accounts that we have won, the ones we may have, when we look at all these elements compound, we believe that the number of 5%, 5.3% for the market next year is something which is, as of today, achievable. Publicis is obviously trying to always beat the market, this is what has been our history in the past, and when you look at the recent past we have outperformed and not just outperformed, we have outperformed by a good margin the market recently. And my feeling is that there is still a lot of uncertainty and there are still a lot of issues which are not solved. There is this eurozone which is in turmoil. There is the sovereign debt which is not yet solved and if we have some good news from that front, I believe that we will be ahead of this number.

EBM: Maurice Lévy, CEO of Publicis Groupe, thank you very much.

Maurice Lévy: Thank you.

Marcadores:

Bookmark and Share

Publicis Groupe reporta crescimento de 6,4% no terceiro trimestre

Publicis Groupe reporta crescimento de 6,4% no terceiro trimestre

América Latina foi a região que mais cresceu

O Publicis Groupe anunciou esta semana crescimento de 6,4% no terceiro semestre deste ano. O resultado está ligado com a conquista das contas Nescafé global e Burger King, nos Estados Unidos. A Europa cresceu 7% graças à Alemanha e França, onde a receita subiu 10%.

A América Latina é a região que experimentou o maior crescimento ano a ano, registrando alta de 42,3% no terceiro trimestre. Ásia-Pacífico foi a segunda região com maior índice, um aumento de 13,2%.

Marcadores:

Bookmark and Share

quarta-feira, outubro 19, 2011

AG2 Publicis Modem firma convênio com MIT

AG2 Publicis Modem firma convênio com MIT

Gláucia Civa - quarta-feira, 19/10/2011 - 15:37

Fonte: http://www.baguete.com.br/noticias/telecom/19/10/2011/ag2-publicis-modem-firma-convenio-com-mit

A AG2 Publicis Modem, integrante do grupo francês Publicis Worldwide com sede em São Paulo e escritórios em Porto Alegre e Pelotas, firmou um convênio de cooperação com o Laboratório de Experiência Mobile do MIT (Massachusetts Institute of Technology).

O acordo prevê a troca de conhecimento entre a agência e a instituição norte-americana que atua como universidade e centro de pesquisa, reunindo cerca de dez mil estudantes em seis escolas, focadas em computação, gestão e engenharia, entre outras áreas.

Conforme Cesar Paz, CEO da AG2 Publicis Modem, a agência terá acesso antecipado às pesquisas do laboratório, tendo prioridade para patrocinar as mesmas, além de poder enviar profissionais ao MIT, para atuação conjunta em estudos.

O convênio inclui, ainda, a participação de duas pessoas da companhia gaúcha no evento anual do laboratório.

“Este acordo também permite que a instituição norte-americana estreite o relacionamento com o mercado brasileiro e conheça detalhes do setor publicitário latino-americano”, afirma Paz.

Para firmar o convênio, o diretor do Mobile Experience Lab do MIT, Federico Casalegno, veio ao país para falar com colaboradores e clientes da agência.

“O MIT e o laboratório exploram tecnologias de ponta e, através deste convênio, vamos investigar como utilizar estas tecnologias para criar serviços e experiências inovadoras para os clientes da AG2 Publicis Modem”, afirma Casalegno.

Além de diretor do Mobile Experience Lab, o especialista e professor do MIT é diretor associado do Laboratório de Design do instituto.

De origem italiana, o executivo é Ph.D. em Sociologia da Cultura e Comunicação, com foco em interação social, comunidades em rede e cidades wireless.

Além do MIT, Casalegno também atuou, de 2004 a 2007, na Motorola, como analista de Inovação de Produto, Design e na área de Experiências e Serviços para Dispositivos Móveis.

Para o CEO da AG2, a parceria com o profissional e demais integrantes do Mobile Experience Lab vai amplia a percepção tanto de colaboradores quanto de clientes da agência em relação ao mercado mobile.

“Mobilidade é um conceito muito mais amplo que smartphones. Queremos discutir com nossos clientes o impacto da tecnologia digital nos modelos de comunicação, na sociedade e no comportamento”, ressalta Paz.

A AG2 é integrante das operações globais da Publicis Modem, que hoje somam aproximadamente 1,4 mil colaboradores na Europa, América do Norte e Ásia.

Há 11 anos no mercado, a agência brasileira emprega cerca de 200 colaboradores, atendendo a marcas como Bradesco, Embraer, GM e Grupo SEB.

“Nosso negócio é fazer comunicação multicanal a partir de plataformas e ambientes de interação para potencializar as estratégias de marketing e vendas das organizações”, finaliza Paz.

Grupão
A AG2 foi comprada pelo grupo francês Publicis Groupe em agosto do ano passado.

As duas empresas já atuavam em conjunto desde o fim de 2009, quando firmaram uma parceria pela qual a AG2 se tornou responsável pelos projetos digitais dos clientes da aliada francesa no país, onde a Publicis tem 750 empregados.

No Brasil, a companhai francesa também está presente pelas marcas Publicis Worldwide, Saatchi & Saatchi, Leo Burnett, VivaKi (Digitas, Razorfish, Starcom MediaVest Group, ZenithOptimedia) e MS&L Group.

Já a AG2 tem sede em Porto Alegre e escritórios em Pelotas, São Paulo e Rio de Janeiro, empregando cerca de 170 empregados.

Marcadores: ,

Bookmark and Share

segunda-feira, outubro 17, 2011

Dia do Professor - 15 de Outubro

Bookmark and Share

terça-feira, outubro 11, 2011

Filhos: veja 10 dicas para introduzir crianças e jovens no mundo das finanças

Filhos: veja 10 dicas para introduzir crianças e jovens no mundo das finanças

28 de setembro de 2011 • 10h00 Por: Viviam Klanfer Nunes

SÃO PAULO – A forma como os adultos lidam com o dinheiro se deve, em grande, à educação financeira, ou à falta dela, que receberam ainda quando jovens. Pensando nisso, os pais devem se preocupar em educar financeiramente seus filhos, começando, antes de tudo, com a mesada.

Esse recurso vai introduzir a criança no mundo financeiro e, quando ela entenda que "as coisas não caem do céu", o aprendizado se iniciará. Assim como não é simples para as crianças aprenderem a lidar com dinheiro, para os pais, ensiná-los também não é uma tarefa tão fácil. Nesse sentido, consultores financeiros elaboraram 10 sugestões que podem facilitar esse trabalho:

Veja 10 dicas para introduzir os jovens no mundo das finanças:

1. Mesada - o primeiro passo para fazer com que as crianças aprendam a lidar com o dinheiro é dar dinheiro a elas. Dependendo da estratégia adotada pelos pais e da idade da criança, o dinheiro deverá ser dado semanalmente ou mensalmente, mas é importante que ela receba.

“É com a mesada que a criança começa a ter contato com o dinheiro, e sobretudo passa a se sentir responsável por ele”, observa a consultora financeira e diretora do The Money Camp, Silvia Alambert.

2. Orientações - não se esqueça de que a criança precisa saber qual o objetivo daquele dinheiro. Além de deixar claro que ela será a responsável pelo recurso, é preciso esclarecer que tudo que ela quiser deverá ser pago com aquele dinheiro e que seus pais, por motivo nenhum, darão mais dinheiro a ela.

É importante que os pais não interfiram na administração financeira da criança. Errar ainda jovem e assumir as responsabilidades pelos seus erros podem ensiná-la a ser um adulto mais responsável.

3. Acompanhamento - apenas quando a criança já adquiriu certa familiaridade com o dinheiro é que é hora de os pais passarem seus conhecimentos a ela. Ao final do mês, é indicado sentar e conversar sobre o que ela fez de certo e de errado. Repasse alguns pontos, entenda por que ela optou por essa e aquela forma de conduzir suas finanças e, acima de tudo, deixe que ela fale e não a critique. A criança precisa aprender a lidar com o dinheiro e não a ter medo dele.

Nessa conversa mensal, a orientação é que os pais ensinem sobre poupança, planejamento financeiro, pesquisa de preços e os demais conhecimentos que considerem relevantes. Só depois que ela já tiver contato com o dinheiro é que será capaz de entender esse tipo de conversa.

4. Formas de pagamentos - Silvia explica que as crianças observam como os pais lidam com o dinheiro, mas nem sempre entendem o que está acontecendo. Cartão de crédito, de débito, cheques, são formas de pagamentos corriqueiras, cuja utilização a criança observa, mas não entende sua lógica.

A dica é simples: explique. Não é preciso dar um cartão de crédito para uma criança ou um jovem, fale de onde vem aquele dinheiro, como funciona aquela forma de pagamento.

5. Presentes – a educação financeira dos jovens é um pouco mais complexa do que se imagina, porque outros aspectos da vida podem influenciar de forma significativa nesta questão. Se, por exemplo, os pais compram tudo o que os filhos querem, dificilmente eles darão valor aos objetos. Se a criança insiste para que os pais comprem algo e é bem-sucedida, toda aquela lógica da mesada, de planejar, conversar, ensinar, perde o sentido.

Não adianta também dar algo que ela queira sob o pretexto de ser um presente. Presente deve ser dado com motivos claros, ou seja, em datas comemorativas ou como forma de parabenizá-lo por algo, nada além disso.

6. Cartão de crédito - O coach financeiro Roberto Navarro acredita que uma boa forma de ensinar os filhos a lidar com o dinheiro é com a utilização do cartão de crédito. Isso mesmo: dar um cartão de crédito com um limite mensal estipulado funciona como uma mesada e ainda permite que os pais saibam com que seus filhos estão gastando.

Navarro ainda sugere que os pais exijam que seus filhos façam uma planilha com a descrição, o valor e o motivo do gasto.

7. Bolsa de valores - na educação financeira das crianças, é possível ir muito mais além. Mais do que ensiná-las a controlar seus gastos, é possível ensiná-las a multiplicar seu dinheiro desde cedo. Navarro aconselha aos pais familiarizados com a bolsa de valores, por exemplo, que já iniciem seus filhos nesse universo financeiro.

Com a supervisão e explicação dos pais, os jovens podem entender como funciona o ambiente acionário, os fundos de investimento, as opções de renda fixa e, caso se interessem pelo assunto, podem começar desde cedo a serem investidores.

8. Pai e mãe coordenados - é importante que tanto a mãe quanto o pai estejam de acordo com as diretrizes da educação financeira do seu filho. Nada vai adiantar se o filho entender que, se o pai não der mais dinheiro, a mãe dará. Portanto, antes de falar com as crianças, conversem primeiro entre vocês e decidam por uma estratégia.

9. Jovens empreendedores - outra atividade que ajuda os jovens a lidar com o dinheiro é desenvolver trabalhos remunerados. Os pais podem estimulá-los a serem revendedores de algum produto ou mesmo fazer algum tipo de trabalho para os colegas de classe. O objetivo disso é fazer com que o jovem compreenda como funciona o mundo dos negócios, podendo ser benéfico até no momento em que deverá optar por qual carreira seguir.

10. Zona de conforto - um dos principais problemas na educação financeira das crianças é a questão psicológica. Muitos pais simplesmente não conseguem dizer não às demandas dos filhos, pois sentem que, se fizerem isso, vão passar a ideia de que seus filhos não podem contar com eles. Entenda, no entanto, que educação financeira pode fazer muita diferença na vida adulta do seu filho e dinheiro não deve ser um pilar do seu relacionamento familiar.

Quando a criança ou o jovem entende que tudo que ela quiser ou precisar ela pode pedir para o pai, dificilmente sairá da zona de conforto e será pouco estimulada a procurar um trabalho ou economizar.

Bookmark and Share

segunda-feira, outubro 10, 2011

O Timão vence e volta ao topo!

O Timão vence e volta ao topo!

Fonte: http://esporte.uol.com.br/futebol/campeonatos/brasileiro/2011/serie-a/classificacao/classificacao.jhtm

Marcadores:

Bookmark and Share
Copyright © 2002 / 2014 HorusStrategy.com.br. Horus Strategy é marca registrada. Todos os direitos reservados.