Últimas 100 Atualizações do Website via Twitter:

Pesquise todo o conteúdo do website Horus Strategy abaixo:
Loading

quinta-feira, setembro 22, 2011

Leo Burnett já prepara campanha de verão da Nova Schin

Leo Burnett já prepara campanha de verão da Nova Schin

Contrato da agência com a marca foi assinado na tarde desta quarta-feira (21), em Itu (SP)

Foi assinado na tarde desta última quarta-feira (21), em Itu (SP), o contrato de prestação de serviços publicitários da Leo Burnett Tailor Made para a cerveja Nova Schin, do Grupo Schincariol, como adiantado aqui. A informação é de fontes do propmark. A conta deixa a Euro RSCG. Segundo fontes, o anúncio oficial da mudança de agência será feito nesta quinta-feira (22).

O propmark apurou que a Leo Burnett Tailor Made já está preparando campanhas de verão para a Nova Schin. Uma fonte ligada a um dos maiores grupos de comunicação do País afirma que a agência já está negociando compra de mídia para ações que serão iniciadas em revistas e TV em meados de novembro, com planos que incluem o Carnaval de 2012.

por Marcello Queiroz - PropMark

Marcadores:

Bookmark and Share

terça-feira, setembro 20, 2011

Treasury & Cash Management Supplement: Cash Management In Brazil

Treasury & Cash Management Supplement: Cash Management In Brazil


BEATING BUREAUCRACY AND TAXES


By Anita Hawser from: http://www.gfmag.com/archives/141-september-2011/11379-treasury-a-cash-management-supplement-cash-management-in-brazil.html#axzz1YV7HxcmX


With Brazil now firmly on the map as global economic power, treasuries want to include it in their global cash solutions. But many regulatory, legal and taxation issues still obstruct that goal.

300_tcm_supplement_sept_11_9

Brazil’s vast natural resources, large labor pool and strong economic growth have made it a major draw for foreign investors. On the back of rising global demand for commodities and a strong export sector, Brazil’s economy grew by 7.5% in 2010, according to World Bank figures, and it was one of the first economies to demonstrate signs of recovery following the 2008 financial crisis.

“It is the land of opportunity,” says Florent Michel, managing partner at Latina Finance, a corporate finance advisory firm.

As global companies grow their presence in the country, they are looking for the most efficient way to manage cash and liquidity in Brazil. Not only are they looking to improve domestic management, but they also want to better tie Brazilian treasury and cash management (TCM) processes into their global cash and payments management programs.

Cecilia Valenzuela Donoso, a treasurer with experience of the Brazilian market, says Brazil has a highly efficient banking system for collections and payments. She says foreign banks do not have much of a presence in Brazil but that some—like Citi—have a good approach to providing solutions. Brazil’s payments infrastructure is also relatively sophisticated. “There is a real-time payment system, so you can move any amount of money from one bank to another in a matter of seconds,” says Fernando de Gouveia, a treasurer working in Brazil.

While some foreign banks have successfully entered the Brazilian market, a number of the well-established international treasury management software vendors, Michel says, have had mixed success in Brazil as they have had to adapt their solutions to suit the specifics of the market.

But Oliver Eggert, senior business consultant for banking and insurance software provider, Eurobase Banking Solutions, says Brazilian companies want access to more-sophisticated treasury management functionality. “We are seeing increasing demand from companies in Brazil wanting to collate real-time cash flow positions and exposures so their treasury operations in the country can make better-informed cash and liquidity management decisions,” he explains.

Brazilian Risks

For both domestic and international companies operating in Brazil, the market poses a number of new risks—including a changing tax environment and currency volatility—that are driving treasurers to reevaluate the way they manage treasury operations in the country.

Currency volatility is a big issue for Brazil. Large capital inflows have led the Brazilian real to appreciate in recent months. With high prevailing volatility versus G10 currencies there has been, Eggert says, a strong increase in demand from treasury managers in Brazil for solutions to monitor position and exposure risks in real time. “From the treasurers’ point of view, the swing between profit and loss can be brutal and swift, something their counterparts in other parts of the world are less able to exploit and also less at risk from,” he says.

In an effort to rein in inflation, the Brazilian government, says Cristiana Pires, head of global transaction services Citi Brazil, imposed new taxes on the inflow of funds. The government has a history of strict regulation, particularly when it comes to taxation of certain transactions.

According to the World Bank, Brazil introduced IOF (investments of foreign persons) taxes on financial transactions, short-term loans and issuance of securities. The Bank says the government also imposed a 6% levy on international debt sales and loans with an average minimum maturity of up to 360 days, after already tripling “a tax on foreigners’ purchases of fixed-income securities” in October last year—all in an effort to stem appreciation of the real.

Minimizing Net Finance Cost

Donoso says the complex tax system is a central theme in all bank transactions. “Therefore the main focus for a treasurer or cash manager when thinking of structuring a deal—whether it is a loan (third party or intragroup loan), transferring funds among companies with a different legal entity, investments, forex, commercial hedging, offshore USD accounts or subsidiary loans from the government—is to minimize the impact of taxes on financial statements and maintain efficiency on the net finance cost.”

There are limits to what a treasurer can do with excess cash and liquidity in Brazil, as treasury management techniques such as cash pooling and intercompany loans incur a high tax rate. De Gouveia says cash pooling is the most expensive form of funding. It is viewed as a loan between nonfinancial companies, so the company receiving the funds must pay the IOF tax and the lending company, the withholding taxes.

On the investment side, taxation is also an issue, notes Pires. Although there are a wide range of investment options available to treasurers for investing excess cash and liquidity—including government and corporate bonds, and bank certificates of deposit—short-term investments of less than 30 days also incur a tax on interest earned. So Pires says it is more prudent for companies to invest their excess liquidity for periods of between one and six months.

Building Local Cash Management Solutions

“Taxation and bureaucracy are the biggest issues in Brazil,” says de Gouveia. “Moving money offshore is still complex, due to Brazilian laws.” When it comes to sweeping excess cash and liquidity into an offshore account, Donoso notes that in Brazil companies are not allowed to have US dollar accounts, so it is not possible to sweep. Citi says it is working to develop a local sweeping account that would give treasurers more efficiency over the return on their short-term liquidity.

"Taxation and bureaucracy are the biggest issues in Brazil"

"Moving money offshore is still complex" – Fernando de Gouveia, Brazilian corporate treasurer

Treasurers looking to repatriate cash or liquidity from their Brazilian operations can do so by paying dividends. Michel of Latina Finance says dividends can be paid locally or offshore—if the investment has been registered in the country with the central bank. He says a registered investment needs to build up a legal reserve of 20% of paid-up capital before it can distribute retained earnings. There is no tax on dividends in Brazil—whether paid locally or offshore.

Another way to repatriate funds is as commercial invoices. Yet, as Donoso points out, that involves exposure to foreign exchange, which impacts the profit-and-loss statement as firms have to buy US dollars.

Treasurers in the Brazilian market have always had to contend with convoluted regulations. For companies from abroad managing their treasury operations in Brazil, it can seem an unnecessarily complex and strict regime. Donoso believes that in some respects the regulations are becoming even stricter. She points to the new taxes on transactions and the implementation of a new rule on thin capitalization that prevents intergroup loans.

Michel, however, notes that Brazil has developed its own standards but is not as difficult to navigate as those of other BRIC countries. When compared with markets like China and India, it is not as restrictive. “Brazil is more of an open market,” Michel says. “It is just the bureaucracy that companies have to contend with.”

Marcadores: ,

Bookmark and Share

Ministério da Cultura escolhe Tropa de Elite 2 para o Oscar

Ministério da Cultura escolhe Tropa de Elite 2 para o Oscar

Longa-metragem de José Padilha será o representante brasileiro na disputa pelas indicações de Melhor Filme em Língua Estrangeira na cerimônia de 2012

M&M

+

Oscar 2012 é o próximo desafio da franquia Tropa de Elite, do diretor José Padilha Crédito: Divulgação

A próxima missão do capitão Nascimento será trazer a primeira estatueta do Oscar para o Brasil. O longa-metragem Tropa de Elite 2, dirigido por José Padilha, foi a produção nacional escolhida para disputar uma das indicações a Melhor Filme em Língua Estrangeira no Oscar 2012. Em sua no 84ª edição, o evento, promovido pela Academy of Motion Picture Arts and Sciences, está marcado para 26 de fevereiro no Kodak Theatre, em Los Angeles, nos Estados Unidos.

Líder de bilheteria dentre os filmes nacionais em 2010 com mais de 11 milhões de espectadores, Tropa de Elite 2 disputou a indicação junto com outras 14 produções inscritas no Ministério da Cultura, dentre elas As mães de Chico Xavier (de Glauber Filho e Halder Gomes), Assalto ao Banco Central (de Marcos Paulo) e Bruna Surfistinha (de Marcus Baldini). A escolha, feita pela Comissão Especial de Seleção, foi divulgada nesta terça-feira, 20, no Palácio Gustavo Capanema, no Rio de Janeiro.

A sequência da franquia da Zazen Produções já superou os resultados do primeiro filme da série. Em 2007, Tropa de Elite perdeu a indicação para O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias, de Cao Hamburger. Na ocasião, 18 longas se inscreveram no Ministério da Cultura para concorrer à vaga. A lista de indicados ao Oscar 2012 está prevista para ser anunciada em 24 de janeiro. A última vez que o Brasil participou na categoria foi em 1998 com Central do Brasil, que perdeu para o italiano A Vida É Bela, de Roberto Benigni.

Marcadores:

Bookmark and Share

Quando todo dia é o dia do fico

Quando todo dia é o dia do fico

O que estimula profissionais de criação permanecer por mais de dez anos na mesma agência


+
Rodrigues, da DPZ: "Nova geração tem pouco apego aos lugares e se entedia facilmente" Crédito: Arthur Nobre

Manter o estímulo é fundamental a qualquer profissional e mais ainda quando seu trabalho depende das ideias frescas e relevantes que têm. Não à toa, o profissional de criação é definitivamente o mais inquieto nas agências, ainda mais os bem-sucedidos, que recebem diversas sondagens e propostas que lhe garantem mais dinheiro, mais responsabilidade, mais liberdade. “Todo criativo basicamente se considera um gênio e quando não encontra um espaço onde está vai para outro lugar. Faz parte do jogo, até porque as agências têm estilos de criação distintos. Essas movimentações ocorrem para que as pessoas encontrem o lugar em que se encaixam melhor”, explica Fernando Rodrigues, diretor nacional de criação da DPZ, desde 1998 na agência.

“O profissional de criação é um caçador constante de ideias e precisa estar conectado com muitas coisas, buscando o diferente. Por isso, é tão volátil”, concorda Milton “Cebola” Mastrocessario, diretor de criação da WMcCann. Ele começou na agência em 1975 e, não fosse um hiato de quatro anos nos quais atuou em uma agência californiana chamada C.L.A., seria o recordista absoluto de tempo de casa entre todos os criativos atualmente empregados pelas 30 principais agências brasileiras, segundo levantamento feito por Meio & Mensagem (veja quadro mais abaixo). Como retornou à agência em 1991, Cebola perde em permanência ininterrupta apenas para o diretor de arte Robson Oliveira, que está na DPZ desde 1988. Dos 37 profissionais encontrados com mais de dez anos de casa, 22 estão em cargos de chefia — o que contribui para uma maior permanência — e 15 são redatores ou diretores de arte. A DPZ é a recordista, com oito criativos decanos.


+

Vilhena da Artplan: Mais focado no negócio, passei a compreender a agência como uma empresa" Crédito: Andre Valentim

Um dos principais estímulos para alguém permanecer por tanto tempo na mesma empresa é o reconhecimento interno. O que nem sempre tem a ver com dinheiro e cargos, embora esses fatores estejam longe de não ser relevantes. Tome-se o exemplo de Marcio Ribas, diretor de criação da Neogama/BBH, que chegou à agência pouco depois de sua fundação, em 1998. Ele atuava na Y&R, quando recebeu o convite para seguir para uma empresa então com apenas oito funcionários. “Não foi uma questão financeira, porque eu tive uma contraproposta muito maior da Y&R. Mas o fato é que passei a ter importância no dia a dia da agência e a vislumbrar crescimento profissional”, relembra. O que o fez permanecer este tempo todo foi a possibilidade de ser o braço direito do dono da agência, Alexandre Gama, sócio e diretor de criação e planejamento. “Às vezes as pessoas fazem leilões e saem muito rápido por causa da grana, sem analisar outros fatores importantes, como se o projeto da agência se encaixa no seu perfil”, diz.

Como mostra o caso de Ribas, a proximidade e, principalmente, sintonia com o dono, o líder da área criativa, o presidente da agência e, sobretudo, com a filosofia de trabalho da empresa são pontos fundamentais. Roberto Vilhena, diretor geral de criação da Artplan, desde 1995 na casa, diz que decidiu ficar na agência por conta das influências que recebeu do dono Roberto Medina. “Sou cria dele. O Medina me fez questionar meu papel como criativo. Ele sempre me dizia que não iria conseguir nada se ficasse na sala do presidente por mais de cinco minutos e soubesse falar somente sobre o anúncio. Então, tornei-me mais focado no negócio e passei a compreender a agência como uma empresa”, relembra.


+

Cebola da WMcCann: busca do diferente faz profissional de criação ser mais volátil Crédito: Diego Bianchi

O bom ambiente com os colegas foi citado por todos os profissionais entrevistados. Às vezes, o estímulo está em ter uma agência que muda constantemente — dando a impressão de que o profissional passou por várias empresas, mesmo sem sair do lugar. O caso de Cebola na WMcCann é um exemplo disso, afinal, a agência passou por um processo de fusão recente, entre McCann e W/. O mesmo vale para a Giovanni+DraftFCB. “A empresa mudou de nome três vezes. Isso cria uma circunstância de novidade e revitaliza o ambiente. Parece que você mudou de agência, embora o DNA emocional da empresa continue o mesmo”, relata Cristina Amorim, diretora de criação e que está na casa desde 1994.

Ouro de tolo
Algo que incomoda bastante os profissionais de criação que permanecem muito tempo em uma mesma agência é o comportamento dos colegas que trocam de emprego como trocam de roupa, sem considerar os pontos positivos de construir carreiras mais longas em um mesmo endereço. “Tenho visto muitas pessoas saindo antes de entregar um trabalho consistente. É preciso de um tempo mínimo em uma agência para conseguir colocar um bom trabalho na rua. Muitos profissionais não querem esperar esse tempo. Não resistem à tentação de receber mais um tanto por mês ou de ter um cargo mais pomposo no cartão de visita. O que pode se transformar no famoso ouro de tolo”, alerta Sophie Schoenburg, redatora que está na AlmapBBDO desde 1995.

“Muitas pessoas quebram a cara só para ter uma linha na imprensa dizendo que estava indo para não sei onde”, concorda João Livi, diretor de criação que está na Talent desde 2001. “Vi muita gente que saiu entusiasmada daqui. São pessoas que têm pressa de acontecer, ambição e até certa carência, que acabam tomando as decisões erradas, porque a expectativa que colocou em cima da nova agência não corresponde”, completa.

Para alguns entrevistados, as novas gerações são mais suscetíveis às mudanças. “Essa nova geração, a molecada de 25 anos, é volátil e tem pouco apego aos lugares. Se entedia facilmente. Algo típico dessa geração Y. Os mais velhos ainda têm lembranças de um País mais incerto, onde era preciso agarrar as oportunidades. Hoje, arrisca-se um pouco mais”, observa Rodrigues, da DPZ.

Para Livi, da Talent, a melhor prevenção para evitar a decepção parece ser a boa e velha arte de perguntar. “Pense bem, questione amigos que trabalham no lugar. Tente conhecer os problemas de lá para que você possa compreender se poderá enfrentá-los”, sugere.

Por outro lado, os mais velhos lidam com o momento em que chegam ao topo possível na agência. O próximo passo seria a sociedade, o que nem sempre é possível — e cada vez mais raro nos lugares mais altos do ranking nacional, preenchidos quase que totalmente por multinacionais. Isso pode causar certa decepção. São inúmeros os casos de profissionais de criação que deixaram um cargo importante para abrir seu próprio negócio — e muitos, infelizmente, acabam engrossando a estatística de mortalidade precoce de empresas brasileiras.

“Quando você chega ao topo, o desafio passa a ter mais a ver com o negócio da agência. Precisamos crescer, conquistar contas. São responsabilidades novas”, relativiza Rodrigues, da DPZ.

Mudança à vista?
Embora alguns profissionais de criação possam se tornar menos suscetível às mudanças com o passar do tempo, especialmente quando encontram o “seu lugar”, os entrevistados não acreditam que o mercado brasileiro possa se tornar menos volátil. “É uma prática: as pessoas­ saem, voltam. O próprio mercado teve muitas fusões e aquisições nos últimos anos e isso acaba criando uma rotatividade de profissionais”, lembra Cristina, da Giovanni+DraftFCB.

O lado “artístico” da profissão torna a rotatividade mais alta do que em outros setores das agências. Cebola, da WMcCann, compara a carreira de um profissional de criação à de um jogador de futebol. “Basta ver o Borges, atleta do Santos, que nunca brilhou nos outros times e agora se tornou um dos artilheiros do Campeonato Brasileiro. O rendimento melhorou por causa do clima do time”, acredita. “Pegar no papel e criar novas ideias é muito estressante e mexe com o lado emocional, trazendo um desgaste rápido nas relações”, completa. A comparação com os boleiros é feita também por Rodrigues, da DPZ. “É um mercado que também lida com talentos e todos querem estar onde têm mais espaço. Se uma dupla quer crescer e há outra acima que esteja indo muito bem, a opção pode ser pela mudança de agência. Tem que rodar mesmo e fazer conexões com o mercado”, sugere.

Marcadores: ,

Bookmark and Share

Rico compra no catálogo e classe média vai à loja

Rico compra no catálogo e classe média vai à loja

Por Adriana Mattos | Valor

Sete entre dez brasileiros das classes de maior renda fazem compras de produtos pelo sistema porta a porta, um canal de venda identificado no passado como ligado principalmente às camadas sociais mais baixas. Na nova classe média, esse número é menor - cai para quatro entre dez consumidores. A presença dos canais de venda por camadas sociais é alvo de pesquisa que deve ser apresentada hoje no 14º Forum de Varejo da América Latina, realizado pela GS&MD Gouvêa & Souza, em São Paulo.

No comércio eletrônico, apesar dos ganhos de renda do brasileiro que levou à popularização da compra online no país, o estudo mostra que apenas 10% da classe C2 usa a web para compras. Na classe C1, a taxa é de 25%. Ao se verificar essa taxa de penetração na classe B2 (exatamente acima da C1), o número vai a 39%.

O estudo utiliza dados da Abep, a associação das empresas de pesquisa, para classificar os consumidores conforme a renda. A classe A tem renda familiar média de R$ 14.366; a B1, de R$ 8.099; a C1, R$ 1.391; e a C2, R$ 933. Foram ouvidas 407 pessoas em São Paulo.

Na avaliação da GS&MD, tem ocorrido um aumento da participação da internet entre os canais utilizados pela classe C, mas ainda há obstáculos que impedem um avanço mais rápido. "Esse é um consumidor que gosta de ir à loja porque, para ele, certas compras são um fato importante, um sinal de melhoria de status. Então, às vezes ele prefere ir ao ponto de venda do que comprar pela internet", diz Luiz Goes, sócio-sênior da GS&MD.

Além disso, ainda há o fator ligado à necessidade da mercadoria. Quando as camadas de menor renda adquirem um produto mais caro, em certos casos, o cliente precisa da mercadoria com urgência. "Muitas vezes, esse cliente compra uma geladeira ou fogão novos porque os antigos itens quebraram. Ele não pode ficar esperando dias pela mercadoria adquirida na web, ou correr o risco de receber com atraso", diz Antonio Coriolano, sócio da RetailConsulting.

É fato, no entanto, que a nova classe média registra a maior taxa de expansão em termos de acessos a sites de compra na internet hoje, até porque as camadas de maior renda já registram taxas muito altas. Em 2010, nove em cada 10 computadores vendidos no Brasil foram adquiridos pela classe C, revela pesquisa da agência Razorfish, e 42% dos internautas brasileiros pertencem a essa classe social (em 2004 representavam 29%).

Ainda segundo o estudo da GS&MD, a venda direta (por catálogo) realizada por empresas como Natura e Avon, tem mais consumidores nas classes mais altas. Nas camadas sociais A e B1, os índices de penetração são de 66% e 56%, respectivamente. Na C1 e C2, atingem 52% e 39%. "Isso desmistifica a ideia de que só os mais pobres compram no porta a porta", diz Goes. "Essas grandes empresas de venda direta têm criado novas marcas de produtos premium e alguns itens registram preços mais salgados", conta Goes.

Bookmark and Share

segunda-feira, setembro 19, 2011

A Energia a Preço Justo!!!

Graças ao seu apoio em 2007 acabamos com a cobrança injusta da CPMF e o Brasil economizou mais de R$ 50 bilhões por ano.
Seu apoio foi fundamental, mas nossa luta não acabou. Agora temos a chance de derrubar mais uma taxa injusta que vem escondida em nossa conta de luz todos os meses.
Assine o manifesto e divulgue a campanha para seus amigos, colegas e familiares.
Nós pagamos um valor adicional na conta de luz que já deveria ter acabado.
Podemos economizar
30 bilhões de reais por ano, o que daria para manter mais dois programas sociais do tamanho do Bolsa Família. Não podemos ficar calados.

Marcadores: ,

Bookmark and Share

sábado, setembro 10, 2011

E-mail domina no uso da web; e-commerce, não

E-mail domina no uso da web; e-commerce, não

Pesquisa da GfK aponta que a troca de e-mails é a principal atividade para internautas. O comércio eletrônico atrai 9% desse público


+

44% dos internautas responderam que o e-mail é o principal uso pessoal na web Crédito: fotolia.com

Para o brasileiro, a troca de e-mail ainda é o principal uso da internet, quando se trata de fins particulares. Esse foi o resultado de uma recente pesquisa realizada pela GfK. A leitura de notícias é o segundo costume preferido dos internautas, seguido pelo acesso a sites de busca e a mídias sociais. De acordo com esse estudo, o e-commerce se mantém restrito, sendo o último da lista. Ele também mostra que o tempo médio dedicado a fins particulares é de uma a duas horas por dia.

A pesquisa foi realizada em nove regiões metropolitanas (Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Fortaleza, Belém) e três capitais (Brasília, Goiânia e Manaus). Quase a metade dos entrevistados (44%) apontou a troca de e-mails com familiares ou amigos como o principal uso da web. Entre as mulheres, esse índice chega a 51%, contra 38% dos homens.

A leitura de notícias, citada por 40% do total dos entrevistados, é o costume mais comum entre os que têm mais de 56 anos (59%). Já para os jovens, com idades entre 18 e 24 anos, o percentual cai para 31%. Em contrapartida, 61% dessa faixa etária têm as mídias sociais entre os usos mais frequentes.

As redes são acessadas por 47% daqueles que estão entre 25 e 34 anos. Curiosamente, entre as classes sociais, as que mais utilizam a mídia social são a C e a D. O índice de uso é de 42% para esse grupo de pessoas, enquanto que nas classes A e B, o percentual é de 38%. Na média, o uso de mídias sociais tem os mesmos 39% de citações que a busca de informações gerais em sites - como Google, por exemplo.

Apesar do crescimento do e-commerce, apenas 9% dos internautas utilizam a internet com esse intuito. Além disso, entre as regiões, depois do Sudeste, o Nordeste e o Centro-Oeste respondem pelos maiores índices (8%). O Sul ficou em último lugar. Outro ponto detectado pela pesquisa: são os homens que mais recorrem ao e-commerce (10% contra 8% das mulheres).

Quanto ao tempo, 40% dos entrevistados reservam de uma a duas horas por dia para fins particulares, 18% afirmam usar menos que uma hora por dia e 19% não usam a internet o dia todo.

Bookmark and Share

sexta-feira, setembro 09, 2011

Independência da Palestina!

Queridos amigos,



Nossa forte campanha que conta com o apoio de 900,000 membros para a independência da Palestina pegou fogo no globo. Entretanto, para ganhar os votos cruciais de países-chave da Europa, nós precisamos entregar nossa mensagem de esperança em espetacularmente 72 horas -- e apenas 10,000 pequenas doações podem fazer isso acontecer. Clique abaixo para contribuir:
O apelo de reconhecimento da Palestina está para ser decidido -- e se nós juntarmos nossas forças nas próximas 72 horas poderemos conseguir que as lideranças cruciais europeias impulsionem a proposta.

Até agora três países-chave -- França, Grã-Bretanha e Alemanha -- ainda estão hesitantes e sob pressão de pessimistas que estão tentando acabar com essa oportunidade de liberdade. Para sacudí-los nós estamos planejando uma entrega espetacular da nossa poderosa petição de 900,000 com uma bandeira gigantesca de 300 m2 da Palestina que será colocada do lado de fora do encontro do Conselho da União Europeia. Nós também temos a urgência de fazer 3 pesquisas de opinião pública que mostrem a esses líderes que as pessoas apoiam o reconhecimento da Palestina, além de encher a mídia com anúncios de páginas inteiras.

Nós podemos chamar a atenção desses líderes, mostrando um mandato público massivo para que eles ajam e enfatizem a mensagem de esperança ao povo palestino. Talvez não tenhamos essa chance novamente -- se 10,000 de nós fizermos uma pequena doação agora, nós poderemos colocar fundos em poderosas ações públicas que são necessárias nesse momento crítico:

https://secure.avaaz.org/po/time_for_palestine/?vl

O reconhecimento da Palestina poderia abrir uma nova via para paz na região e dar o apoio necessário ao povo palestino para sua proteção sob leis internacionais. E esse apoio não poderia vir mais cedo: um governo de direita em Israel está expandindo a construção de abrigos na Cisjordânia, e obstruindo as possibilidades de uma solução viável de dois estados -- uma solução apoiada pela maioria dos cidadãos de Israel e da Palestina.

Mais de cento e vinte países já se comprometeram a apoiar o estado independente da Palestina, mas o apoio de países-chave da Europa é crucial nesse momento para dar à proposta o suporte e legitimidade global que necessita. A pressão pública fez a Espanha se comprometer com o reconhecimento do estado independente da Palestina. Pesquisas de opinião pública mostram que a maioria dos cidadãos querem que seus líderes apoiem a proposta e uma esplêndida atenção da mídia no momento de decisão poderia mudar a opinião dos três países decisivos: Grã-Bretanha, Alemanha e França.

Estamos em contagem-regressiva. Nossas ações nos próximos dias podem sacudir os líderes e fazer com que eles mudem de uma rota de colisão para uma decisão que inauguraria uma era de liberdade e resgataria o caminho para uma decisão negociada. Apenas uma pequena doação hoje pode fazer a diferença -- clique abaixo para contribuir:

https://secure.avaaz.org/po/time_for_palestine/?vl

Mais de 900,00 de nós já emprestaram suas vozes para esse esperançoso chamado de auto-determinação e paz. Enfatizar esse chamado aos líderes-chave na Europa, na mídia e no próprio encontro das Nações Unidas é o passo seguinte vital a ser tomado. Juntos, nós podemos abafar o medo e a intolerância com um chamado global de não-violência, diplomacia e reconhecimento para a Palestina.

Com esperança,

Emma, Alice, Antonia, Ricken, Benjamin, Pascal, Diego e todo o time da Avaaz


MAIS INFORMAÇÕES:

Quase 130 nações já reconhecem independência palestina (Estado de S. Paulo)
http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,quase-130-nacoes-ja-reconhecem-independencia-palestina,757443,0.htm

China manifesta apoio a Estado palestino (Diário do Grande ABC)
http://www.dgabc.com.br/News/5909186/china-manifesta-apoio-a-estado-palestino.aspx

Palestinos lançam campanha por reconhecimento na ONU (Folha de S. Paulo) http://www1.folha.uol.com.br/mundo/972056-palestinos-lancam-campanha-por-reconhecimento-na-onu.shtml


Apoie a comunidade da Avaaz!
Nós somos totalmente sustentados por doações de indivíduos, não aceitamos financiamento de governos ou empresas. Nossa equipe dedicada garante que até as menores doações sejam bem aproveitadas:
Dona Agora




Marcadores: ,

Bookmark and Share

Garoto Esperto! Vergonha dos nossos Políticos!!!

ESSA NÃO DA PRA NÃO REPASSAR.

DEMAIS!

UM GAROTO DO RIO DE JANEIRO ENFRENTOU O GOVERNADOR E O PRESIDENTE DA REPÚBLICA E CONSEGUIU ACABAR COM OS DOIS.

AMBOS DEMONSTRARAM O DESPREPARO PARA O EXERCÍCIO DAS FUNÇÕES E NÃO CONSEGUIRAM CONVERSAR COM UM GAROTINHO QUE APENAS QUERIA USAR AS INSTALAÇÕES PÚBLICAS DE UM CENTRO ESPORTIVO.

É O FIM DO MUNDO!!!

ASSISTAM. NUNCA TINHA VISTO NADA IGUAL. REPAREM QUANDO O LULA, USANDO PALAVRÕES TENTA CONVENCER O GOVERNADOR ABRIR O LOCAL, ALEGANDO APENAS O PREJUÍZO POLÍTICO DE ESTAR O MESMO FECHADO.

ABSURDO!!!

Marcadores:

Bookmark and Share

quarta-feira, setembro 07, 2011

Jequiti Cosméticos entrega conta para Publicis Red Lion

Jequiti Cosméticos entrega conta para Publicis Red Lion

Além de nova agência de publicidade, empresa anuncia nova editora responsável pelos catálogos

06 de Setembro de 2011 M&M

A Jequiti Cosméticos, do Grupo Silvio Santos, anunciou algumas mudanças na área de comunicação. A Publicis Red Lion é a nova agência de publicidade da marca, que antes era atendida pela QG Propaganda. Além disso, a empresa anunciou a Editora Custom como responsável pelos catálogos.

Marcadores:

Bookmark and Share

terça-feira, setembro 06, 2011

Google faz homenagem ao Dia da Independência



Independência do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Independência do Brasil
Independência ou Morte!, de Pedro Américo (óleo sobre tela, 1888).
Outros nomes Proclamação da Independência
Participantes Dom Pedro de Alcântara
José Bonifácio
Maria Leopoldina de Áustria
Localização Riacho do Ipiranga, São Paulo, Brasil
Data 7 de setembro de 1822 (189 anos)
Resultado Separação política entre Brasil Colônia e Portugal e instituição do Império do Brasil.

Denomina-se independência do Brasil o processo que culminou com a emancipação política desse país do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, no início do século XIX. Oficialmente, a data comemorada é a de 7 de setembro de 1822, em que ocorreu o chamado "Grito do Ipiranga". De acordo com a historiografia clássica do país, nesta data, às margens do riacho Ipiranga (atual cidade de São Paulo), o Príncipe-regente D. Pedro de Alcântara bradou perante a sua comitiva: "Independência ou Morte!". Determinados aspectos dessa versão, no entanto, são contestados por alguns historiadores em nossos dias.

A moderna historiografia em História do Brasil remete o início do processo de independência à transferência da corte portuguesa para o Brasil, no contexto da Guerra Peninsular, a partir de 1808.

Índice

[esconder]

A transferência da corte portuguesa para o Brasil (1807-1821)

História do Brasil
Coat of arms of Brazil.svg
Eleições
Regionais
Generalidades

A partir de 15 de julho de 1799, o Príncipe do Brasil, D. João de Bragança, tornou-se Príncipe-regente de Portugal, pois sua mãe, a Rainha D. Maria I, foi declarada louca pelos médicos. Os acontecimentos na Europa, onde Napoleão Bonaparte se afirmava, sucederam-se com velocidade crescente.

Desde 1801 que se considerava a ideia da transferência da corte portuguesa para o Brasil. As facções no governo português, entretanto, se dividiam:

  • a facção anglófila, partidária de uma política de preservação do Império Colonial Português e do próprio Reino, através do mar, apoiados na antiga aliança Luso-Britânica; e
  • a facção francófila, que considerava que a neutralidade só poderia ser obtida através de uma política de aproximação com a França.

Ambas eram apoiadas pelas lojas maçônicas quer de origem inglesa, quer de origem francesa. Considere-se ainda que as ideias iluministas francesas circulavam clandestinamente em livros, cada vez mais abundantes.

A decretação do Bloqueio Continental em Berlim (1806) tornou mais difícil a neutralidade Portuguesa. Em 1807, o Tratado de Fontainebleau dividiu arbitrariamente Portugal em três reinos. Desde Outubro desse ano, Jean-Andoche Junot, antigo embaixador francês em Lisboa, preparava-se para invadir Portugal. Foi nesse contexto que D. João pactuou com a Grã-Bretanha a transferência do governo para o Rio de Janeiro, sob a proteção dos últimos.

Com a invasão francesa de Portugal em progresso, a 29 de novembro de 1807 iniciou-se a viagem da Família Real e da Corte Portuguesa. Dezoito navios de guerra portugueses e treze ingleses escoltaram mais de vinte e cinco navios mercantes de Lisboa até à costa do Brasil. A bordo seguiam mais de quinze mil portugueses. O Reino ficava a ser governado por uma Junta de Regência que Junot logo dissolveu.

Com a presença da Família Real Portuguesa no Brasil a partir de 1808, registrou-se o que alguns historiadores brasileiros denominam de "inversão metropolitana", ou seja, o aparelho de Estado Português passou a operar a partir do Brasil, que desse modo deixou de ser uma "colônia" e assumiu efetivamente as funções de metrópole.

A Revolução liberal do Porto (1820)

O passo seguinte, que conduziu à independência do Brasil, ocorreu com a eclosão da Revolução liberal do Porto (24 de agosto de 1820), que impôs o regresso de D. João VI a seu país, visando forçar o retorno do chamado Pacto Colonial. A notícia do movimento chegou ao Rio de Janeiro em 12 de outubro, causando intensa comoção.

Reflexos no Pará

As Cortes portuguesas em 1822.

O movimento liberal do Porto já havia sido acolhido com entusiasmo na Ilha da Madeira e no arquipélago dos Açores quando a notícia chegou, a 1 de dezembro, a Belém do Pará. Como a província estava entregue a uma Junta interina, essa circunstância facilitou um pronunciamento de apoio entusiástico à causa constitucional. A bordo da mesma embarcação que trouxe a notícia, as Novas Amazonas, veio o estudante Filipe Patroni, que desafrontado e ardente, "logo alcançou o concurso dos chefes militares, coronéis João Pereira Vilaça e Francisco José Rodrigues Barata"[carece de fontes]. Este último, no dia 1 de janeiro de 1821, em nome do povo e da tropa proclamou a Constituição que iria ser elaborada pelas Cortes portuguesas. Desse modo, foi eleita por aclamação uma Junta Constitucional provisória de nove membros, dando-se comunicação ao Rio de Janeiro. Filipe Patroni e Domingos Simões Cunha foram eleitos procuradores da província e encarregados de representar, perante as Cortes e a Junta Suprema, os interesses da Província do Pará.[carece de fontes]

Reflexos na Província da Bahia

Incitada por Cipriano José Barata de Almeida e José Lino Coutinho, um levante registrou-se na Bahia a 21 de fevereiro de 1821. O Governador da Província, o conde da Palma, ordenou ao marechal Felisberto Caldeira Brant Pontes, inspetor das tropas, que reunisse as tropas fiéis. Desse modo, enfrentou os rebeldes com apenas cento e sessenta homens, pois a maior parte da tropa o abandonara. Não houve meio de os demover de constituir na Bahia uma Junta Constitucional Provisória, a exemplo de Belém, pela qual se manifestasse completa obediência às Cortes de Lisboa, jurando-se desde logo a Constituição. Palma cedeu, propondo ele mesmo os nomes das pessoas que formariam a Junta. E a Junta foi mais longe, dirigindo-se a Lisboa como se tal governo fosse já o único legítimo da monarquia e pedindo tropas portuguesas. Foram-lhe enviados 1.184 homens, a chamada Legião Constitucional Lusitana. A Junta nomeou ainda o marechal Luís Paulino de Oliveira Pinto de França para o cargo de Governador das Armas e o coronel Inácio Luís Madeira de Melo para o de inspetor das tropas, uma vez que Caldeira Brant acompanhara o conde da Palma ao Rio de Janeiro.

Reflexos na Província de Pernambuco

O governador da Província de Pernambuco, Luís do Rego Barreto, tinha um cenário difícil desde a Revolução de 1817, pois a terra ainda gemia com o "depravado e estúrdio despotismo", como refere Rocha Pombo em sua História do Brasil. Animado com as mensagens de Lisboa e a convite da Junta da Bahia, mas temeroso de desaforos, conservou toda a plenitude da autoridade e dirigiu um manifesto ao povo, expondo as bases da Constituição que iria ser promulgada e convocando eleitores de todas as paróquias. Os pernambucanos receberam com desconfiança as promessas e votaram com independência, elegendo as pessoas que lhes pareceram mais dignas, as quais "quase todas pertenciam mais ou menos ostensivamente aos vencidos de 1817".

A 29 de agosto de 1821 nomeou-se por aclamação uma Junta Provisional Temporária em Goiana, para contrabalançar outra, do partido português, em Recife. Mesmo pedindo reforços à Paraíba, Rego Barreto foi cercado, assinando a capitulação a 5 de outubro, junto à povoação do Beberibe.

Reflexos na Província da Paraíba

A vitória dos pernambucanos ecoou na vizinha Paraíba, onde a 25 de outubro foi eleita uma Junta Governativa para administrar a província em nome da Constituição portuguesa.

Reflexos na Província do Maranhão

A província do Maranhão era governada desde 1819 pelo marechal Bernardo da Silveira Pinto da Fonseca. Este, sem poder deixar de admitir a autoridade de um Conselho Consultivo, conseguiu transformar em farsa a eleição da Junta no dia 13 de abril, sendo ele próprio proclamado Governador provisório. Mandou, em seguida, deportar diversos patriotas, procedendo à eleição de dois deputados às Cortes de Lisboa. Posteriormente, no dia 15 de fevereiro de 1822 foi eleita uma Junta Provisória e o marechal embarcou de volta para Portugal.

A partida da família real

Pressionado pelo triunfo da revolução constitucionalista, o soberano retornou com a família real para Portugal, deixando como príncipe regente no Brasil o seu primogênito, D. Pedro de Alcântara.

As divergências

Não se pode compreender o processo de independência sem pensar no projeto recolonizador das Cortes portuguesas, a verdadeira origem da definição dos diversos grupos no Brasil. Embora o rompimento político com Portugal fosse o desejo da maioria dos brasileiros, havia muitas divergências. No movimento emancipacionista havia grupos sociais distintos: a aristocracia rural do Sudeste brasileiro, as camadas populares urbanas liberais radicais, e, por fim, a aristocracia rural do Norte e Nordeste, que defendiam o federalismo e até o separatismo.

A aristocracia rural do Sudeste, a mais poderosa, era conservadora, lutando pela independência, defendendo a unidade territorial, a escravidão e seus privilégios de classe. Os liberais radicais queriam a independência e a democratização da sociedade, mas seus chefes, Joaquim Gonçalves Ledo e José Clemente Pereira, permaneceram atrelados à aristocracia rural, sem revelar vocação revolucionária. A aristocracia rural do norte e nordeste enfrentava a forte resistência dos comerciantes e militares portugueses, Josué fortes no Pará, Maranhão e Bahia. Além disso, desconfiavam da política centralizadora de José Bonifácio.

O partido português no Brasil chamado por vezes de "os pés de chumbo", estava do lado das Cortes; o partido brasileiro e os liberais radicais eram contra elas, mas divergiam quanto aos objetivos. Para o partido brasileiro, o ideal era a criação de uma monarquia dual (Brasil e Portugal) para preservar a autonomia administrativa e a liberdade de comércio. Mas a intransigência das Cortes Portuguesas, que nada tinham de liberais, fez o partido inclinar-se pela emancipação, sem alterar a ordem social vigente e os seus privilégios adquiridos. Já os liberais radicais formavam um agrupamento quase revolucionário, bem próximo das camadas populares urbanas, sendo alguns de seus membros republicanos. No conjunto, tratava-se do grupo mais receptivo às mudanças mais profundas e democráticas da sociedade.

A concretização das aspirações de cada um desses agrupamentos era distinta. Os grandes proprietários rurais ligados ao partido brasileiro dispunham dos meios efetivos para a realização de seus objetivos. O anseio por um comércio livre de entraves mercantilistas encontrava apoio em forças internacionais, lideradas pela burguesia britânica. A sólida base econômica e social escravista garantia ainda os recursos materiais para resistir com êxito à provável ameaça recolonizadora de Lisboa.

Na disputa contra os conservadores, os radicais cometeram o erro de reduzir a questão à luta pela influência sobre o Príncipe Regente. Era inevitável que este preferisse os conservadores. Ademais, os conservadores encontraram em José Bonifácio de Andrada e Silva um líder bem preparado para dar à independência a forma que convinha às camadas dominantes.

O "Fico" e o "Cumpra-se"

José Bonifácio de Andrada e Silva, o Patriarca da Independência.

A situação do Brasil permaneceu indefinida durante o ano de 1821. Em 9 de dezembro, chegaram ao Rio de Janeiro os decretos das Cortes que determinavam a abolição da Regência e o imediato retorno de D. Pedro de Alcântara a Portugal, a obediência das províncias a Lisboa (e não mais ao Rio de Janeiro), a extinção dos tribunais do Rio de Janeiro. O Príncipe Regente começou a fazer os preparativos para o seu regresso, mas estava instaurada uma enorme inquietação. O partido brasileiro ficou alarmado com a recolonização e com a possibilidade de uma explosão revolucionária. A nova conjuntura favoreceu a polarização: de um lado o partido português e do outro, o partido brasileiro com os liberais radicais, que passaram a agir pela independência.

Sondado, o Príncipe Regente mostrou-se receptivo. Foram então enviados emissários às Províncias de Minas Gerais e de São Paulo para obter a adesão à causa emancipacionista, com resultados positivos.

A decisão do príncipe de desafiar as Cortes decorreu de um amplo movimento, no qual se destacou José Bonifácio. Membro do governo provisório de São Paulo, escrevera em 24 de dezembro de 1821 uma carta a D. Pedro, na qual criticava a decisão das Cortes de Lisboa e chamava a atenção para o papel reservado ao Príncipe na crise. D. Pedro divulgou a carta, publicada na Gazeta do Rio de Janeiro de 8 de janeiro de 1822 com grande repercussão. Dez dias depois, chegou ao Rio uma comitiva paulista, integrada pelo próprio José Bonifácio, para entregar ao Príncipe a representação paulista. No mesmo dia, D. Pedro nomeou José Bonifácio ministro do Reino e dos Estrangeiros, cargo de forte significado simbólico: pela primeira vez na História o cargo era ocupado por um brasileiro.

No Rio de Janeiro também havia sido elaborada uma representação (com coleta de assinaturas) em que se pedia a permanência de D. Pedro de Alcântara no Brasil. O documento foi entregue ao Príncipe a 9 de janeiro de 1822 pelo Senado da Câmara do Rio de Janeiro. Em resposta, o Príncipe Regente decidiu desobedecer às ordens das Cortes e permanecer no Brasil, pronunciando a célebre frase "Se é para o bem de todos e felicidade geral da Nação, estou pronto. Digam ao povo que fico!". O episódio tornou-se conhecido como "Dia do Fico".

D. Pedro ganhou forte apoio popular com a decisão do "Fico". Para resistir às ameaças de recolonização foi decretada, em 16 de fevereiro de 1822, a convocação de um Conselho de Procuradores Gerais das Províncias do Brasil. Teoricamente, este órgão tinha por finalidade auxiliar o Príncipe mas, na prática, tratava-se de uma manobra dos conservadores, liderados por José Bonifácio, contra os radicais, representados por Joaquim Gonçalves Ledo, um funcionário público para quem a preservação da unidade político-territorial do Brasil deveria ser feita convocando-se uma Assembléia Constituinte eleita pelo povo. A finalidade do Conselho era, na prática, a de manter a unidade sob controle do poder central e dos conservadores.

Em maio, a cisão entre D. Pedro e as Cortes aprofundou-se: o Regente determinou que qualquer decreto das Cortes só poderia ser executado mediante o "Cumpra-se" assinado por ele, o que equivalia a conferir plena soberania ao Brasil. A medida teve imediato apoio: quando dos festejos pelo aniversário de João VI de Portugal, a 13 de maio, o Senado da Câmara do Rio de Janeiro pediu ao Príncipe Regente que aceitasse para si e para seus descendentes o título de "Defensor Perpétuo do Brasil".

Neste contexto, houve uma investida militar da Divisão Auxiliadora, unidade de linha do Exército Português estacionada na cidade do Rio de Janeiro, sob o comando do Tenente-general Jorge de Avilez, que acabou sendo expulso do Brasil com as suas tropas, após ter se confrontado com as tropas da Divisão Militar da Guarda Real de Polícia (embrião da atual Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro), leais a D. Pedro.

Os liberais radicais mantinham-se ativos: por iniciativa de Gonçalves Ledo, uma representação foi dirigida a D. Pedro para expor a conveniência de se convocar uma Assembléia Constituinte. O Príncipe decretou a convocação em 13 de junho de 1822. A pressão popular levaria a convocação adiante, dando continuidade ao processo.

José Bonifácio resistiu à ideia de convocar a Constituinte, mas foi obrigado a aceitá-la. Procurou descaracterizá-la, propondo a eleição indireta, que acabou prevalecendo contra a vontade dos liberais radicais, que defendiam a eleição direta. Embora os conservadores tenham obtido o controle da situação e o texto da convocação da Constituinte apresentasse declarações favoráveis à permanência da união entre Brasil e Portugal, as Cortes de Lisboa insistiam: o Príncipe Regente deveria retornar imediatamente.

A declaração de Independência

Independência do Brasil: óleo sobre tela por François-René Moreaux (Museu Imperial de Petrópolis). Foi executado em 1844, a pedido do Senado Imperial.

No final de agosto de 1822, D. Pedro deslocou-se à província de São Paulo para acalmar a situação depois de uma rebelião contra José Bonifácio. Apesar de ter servido de instrumento dos interesses da aristocracia rural, à qual convinha a solução monárquica para a independência, não se deve desprezar os seus próprios interesses. O Príncipe tinha formação absolutista e por isso se opusera à Revolução do Porto, de caráter liberal. Da mesma forma, a política recolonizadora das Cortes desagradou à opinião pública brasileira. E foi nisso que se baseou a aliança entre D. Pedro e o "partido brasileiro". Assim, embora a independência do Brasil possa ser vista, objetivamente, como obra da aristocracia rural, é preciso considerar que teve início como compromisso entre o conservadorismo da aristocracia rural e o absolutismo do Príncipe.

Monumento à independência, no Parque da Independência, em São Paulo, o local onde foi proclamada a independência do Brasil.

Em 7 de Setembro, ao voltar de Santos, parado às margens do riacho Ipiranga, D. Pedro recebeu uma carta com ordens de seu pai para que voltasse para Portugal, se submetendo ao rei e às Cortes. Vieram juntas outras duas cartas, uma de José Bonifácio, que aconselhava D. Pedro a romper com Portugal, e a outra da esposa, Maria Leopoldina de Áustria, apoiando a decisão do ministro e advertindo: "O pomo está maduro, colhe-o já, senão apodrece".

Impelido pelas circunstâncias, D. Pedro pronunciou a famosa frase "Independência ou Morte!", rompendo os laços de união política com Portugal.

Culminando o longo processo da emancipação, a 12 de outubro de 1822, o Príncipe foi aclamado Imperador com o título de D. Pedro I, sendo coroado em 1 de dezembro na Capital.

A guerra da Independência

Príncipe Pedro (direita) ordena o oficial português Jorge Avilez (esquerda) retornar a Portugal após sua rebelião malsucedida. José Bonifácio (em roupas civis) pode ser visto ao lado do príncipe.

Consolidado o processo na região Sudeste do Brasil, a independência das demais regiões da América Portuguesa foi conquistada com relativa rapidez. Contribuiu para isso o apoio diplomático e financeiro da Grã-Bretanha. Sem um Exército e sem uma Marinha de Guerra, tornou-se necessário recrutar mercenários e oficiais estrangeiros para comandá-los, do mesmo modo que adquirir meios.

Desse modo, foi sufocada a resistência portuguesa na Província da Bahia, na do Maranhão, na do Piauí e na do Pará.

O processo militar estava concluído já em 1823, restando encaminhar a negociação diplomática do reconhecimento da independência com as monarquias européias.

Consequências

FIAV historical.svg Bandeira do Império do Brasil durante o Primeiro Reinado.

À semelhança do processo de independência de outros países latino-americanos, o de independência do Brasil preservou o status quo das elites agroexportadoras, que conservaram e ampliaram os seus privilégios políticos, econômicos e sociais.

Ao contrário do ideário do Iluminismo, e do que desejava, por exemplo, José Bonifácio de Andrada e Silva, a escravidão foi mantida, assim como os latifúndios, a produção de gêneros primários voltada para a exportação e o modelo de governo monárquico.

Para ser reconhecido oficialmente, o Brasil negociou com a Grã-Bretanha e aceitou pagar indenizações de 2 milhões de libras esterlinas a Portugal. A Grã-Bretanha saiu lucrando, tendo início o endividamento externo do Brasil. Quando D. João VI retornou a Lisboa, por ordem das Cortes, levou todo o dinheiro que podia — calcula-se que 50 milhões de cruzados, apesar de ter deixado no Brasil a sua prataria e a enorme biblioteca, com obras raras que compõem hoje o acervo da Biblioteca Nacional. Em conseqüência da leva deste dinheiro para Portugal, o Banco do Brasil, fundado por D. João ainda 1808, veio a falir em 1829.

Considerações historiográficas

Independência ou Morte!
Pedro, regente do Brasil, futuro imperador do Brasil, 7 de Setembro de 1822

A data comemorada oficialmente é 7 de setembro de 1822, uma vez que nesse dia, às margens do riacho Ipiranga, em São Paulo, o Príncipe Regente D. Pedro, ao receber a correspondência da Corte, teria proclamado o chamado "grito da Independência", à frente da sua escolta: "Independência ou Morte!"

Outras datas consideradas historiograficamente para a Independência, embora menos populares são a data da coroação do Imperador (1 de dezembro de 1822) ou mesmo a do reconhecimento da Independência por Portugal e pela Grã-Bretanha (29 de agosto de 1825).

Quando os pesquisadores consultam os jornais de 1822, não encontram nenhuma referência ao "Grito do Ipiranga". Então, por que esse episódio foi escolhido, em detrimento de outros, quando se sabe que, àquele ano (1822), a data tomada como marco da Independência foi o 12 de outubro, dia do aniversário de dom Pedro I e de sua aclamação como imperador?
Essas e outras questões foram pesquisadas pela historiadora Maria de Lourdes Viana Lyra, titular do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e publicadas em 1995. A conclusão desse estudo indica que o "grito" foi uma construção a posteriori e que acabou consolidado no quadro (encomendado) de Pedro Américo, produto da fértil imaginação do pintor, onde, entre outras incoerências, mostra D. Pedro cercado pela Guarda Imperial (os hoje chamados de Dragões da Independência), antes dele ser proclamado Imperador.[1].

Notas

Bibliografia

  • CALMON, Pedro. A Vida de D. Pedro II, o Rei Filósofo. Rio de Janeiro: Editora Biblioteca do Exército, 1975.
  • LEITE, Renato Lopes. Republicanos e Libertários: Pensadores Radicais no Rio de Janeiro (1822). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.
  • LEITE, Renato Lopes. História da historiografia da Independência: apropriações do Sete de Setembro. Ensino e Pesquisa (União da Vitória), v. III, p. 34-50, 2007.
  • LIMA, Manuel de Oliveira. Dom João VI no Brazil (1808-1821). Rio de Janeiro: Editora Typ. Jornal do Commercio, 1908.
  • LIMA, Manuel de Oliveira. O Movimento da Independência. São Paulo: Editora Melhoramentos, 1972.
  • MALERBA, Jurandir. A corte no exílio: civilização e poder no Brasil às vésperas da Independência. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
  • MALERBA, Jurandir. (org.). A Independência brasileira: novas dimensões. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.
  • MELLO MORAES, A. J. de. A Independência do Império do Brasil. Rio de Janeiro: Typ. do Globo, 1877.
  • NABUCO, Joaquim. Um Estadista do Império. Companhia Editora Nacional, 1936.
  • OLIVEIRA, Cecília Helena de S.. A independência e a construção do império. São Paulo: Atual, 1995.
  • SOUZA, Octávio Tarquínio de. A Vida de D. Pedro I (3 v.). Rio de Janeiro: Editora Bibliex e Livraria José Olympio, 1972.
  • SOUZA, Octávio Tarquínio de. (org.). História dos fundadores do Império do Brasil (10 v.). Editora Itatiaia, várias datas.
  • TORRES, João Camilo de Oliveira. A Democracia Coroada. José Olympio, 1952.
  • PRADO JÚNIOR, Caio. Evolução política do Brasil: Colônia e Império. São Paulo: Brasiliense, 1988.

Marcadores:

Bookmark and Share
Copyright © 2002 / 2014 HorusStrategy.com.br. Horus Strategy é marca registrada. Todos os direitos reservados.