Últimas 100 Atualizações do Website via Twitter:

Pesquise todo o conteúdo do website Horus Strategy abaixo:
Loading

terça-feira, agosto 30, 2011

Accounts and People of Note in the Ad Industry

Accounts and People of Note in the Ad Industry

Kathleen Barnes joined Kelliher Samets Volk, Burlington, Vt., in a new post, as a public relations and social media associate. She had been the annual giving coordinator in the Office of Parent and Alumni Relations at Champlain College, Burlington.

Jim Bell joined Forge Worldwide, Boston, in a new post, as a senior copywriter. He had been a senior copywriter at the Boston office of Digitas, part of the Publicis Groupe.

Jeff Browning, senior vice president of the Univision Television Group Sales unit of Univision Communications, where he ran the largest multimarket sales team based in Los Angeles, was named to a new post, senior vice president of sales for Univision News, based in New York. And Mark Dante, senior vice president for the Univision Client Development Group, based in Los Angeles, is also moving to New York, to become executive vice president for station group sales for the Univision Television Group.

Gary Calega joined Coupons.com, Mountain View, Calif., as vice president for marketing. He succeeds Paul Willard, who left to join Practice Fusion, San Francisco, as vice president for marketing. Mr. Calega had most recently been president at Agilone, Los Gatos, Calif.

Jason Clement and Robert Swartz joined Deutsch, New York, as the agency continues to add staff for its new Microsoft assignments. Mr. Clement becomes senior vice president and group planning director for innovations and digital; he had been director for emerging platforms at the New York office of Wieden & Kennedy. Mr. Swartz becomes senior vice president and group planning director; he had most recently been worldwide group account director on the I.B.M. account at Ogilvy & Mather Worldwide, New York, part of WPP. Deutsch is part of the Lowe & Partners Worldwide division of the Interpublic Group of Companies.

Cracker Barrel Old Country Store, Lebanon, Tenn., selected the Chicago office of Euro RSCG Worldwide, part of the Havas Worldwide unit of Havas, as its agency of record. The company spent about $45 million on advertising last year. The assignment had been handled by the Buntin Group, Nashville, which will continue to handle tasks like buying and planning for the restaurant and retail chain’s outdoor advertising.

Jonah Disend, chief executive at Redscout, New York, part of MDC Partners, will also serve in a new post at MDC, innovator at large.

Michael Farr joined D S Simon Productions, New York, in a new post, senior vice president and managing director for content. He had been senior vice president and general manager of the New York office of On the Scene Productions.

Fifth Third Bancorp, Cincinnati, named Leo Burnett, Chicago, part of the Publicis Groupe, as agency of record. The assignment had been handled by Olson, Minneapolis. Fifth Third spent $33.5 million to advertise in major media last year, according to Kantar Media.

Flaum Partners, New York, was renamed the Flaum Idea Group.

Laura Frerer-Schmidt joined the New York office of Rodale as publisher of Women’s Health magazine, effective on Sept. 6. She will assume duties from Jack Essig, who left to join Hearst Magazines, New York, part of the Hearst Corporation, as senior vice president, publishing director and chief revenue officer for Esquire magazine and the men’s enthusiast group. Mr. Essig had been a senior vice president at Rodale as well as publisher of Men’s Health magazine in addition to Women’s Health; Rodale last month promoted Ronan Gardiner, who had been associate vice president and associate publisher of Men’s Health, to publisher of Men’s Health. Ms. Frerer-Schmidt joins Rodale after serving as associate publisher at Self magazine, New York, part of the Condé Nast Publications unit of Advance Publications.

Rob Kabus joined Eleven, San Francisco, as president and chief marketing officer. As president, he succeeds Courtney Buechert, who becomes chief executive. Mr. Kabus had been president and global head of strategy at the Los Angeles office of Vizeum, part of the Aegis Media unit of the Aegis Group.

Lee Krackow joined C2C Outdoor, New York, as an account director. He had been an account director at Posterscope USA, part of the Posterscope Worldwide unit of Aegis Media, a division of the Aegis Group.

Renée Lewin, associate publisher at Good Housekeeping magazine, New York, part of the Hearst Magazines unit of the Hearst Corporation, was named associate publisher at another Hearst magazine, Harper’s Bazaar. She succeeds Freeda Fawal-Farah, who became associate publisher at a third Hearst magazine, Town & Country.

Marin Institute, San Francisco, which describes itself as a watchdog for the alcoholic beverage industry, was renamed Alcohol Justice.

Peter McGuinness joined the Chicago office of DDB Worldwide, part of the Omnicom Group, as president and chief executive. He succeeds Rick Carpenter, who left in December. Mr. McGuinness had been chairman and chief executive at Gotham, New York, part of the Interpublic Group of Companies, where two executives will assume his duties, serving as co-presidents of the agency: Nick Johnson, chief marketing officer, and Lyle Tick, managing director.

Arthur McKinley joined Kantar Video, New York, part of the Kantar unit of WPP, in a new post, vice president for business development. He had most recently been general manager of AditAll and Dynamic Video.

David R. Mitchell joined the Chicago office of SapientNitro, part of Sapient, as vice president for creative. He had been senior vice president and executive creative director at the Chicago office of Digitas, part of the Publicis Groupe.

Scott Neslund, president at Moxie, Atlanta, part of the ZenithOptimedia unit of the Publicis Groupe, will lead the agency after the departure of Joel Lunenfeld, chief executive, who left to join Twitter as director for global brand strategy.

R. R. Donnelley & Sons Company, Chicago, acquired Sequence Personal, New York, which offers software that enables readers to select relevant content to be digitally produced as specialized publications. Financial terms were not disclosed. Sequence Personal will operate as part of the CustomPoint Solutions Group unit of Donnelley.

Nathan Shamban joined Heat, San Francisco, as an account manager. He had been an account manager at Goodby, Silverstein & Partners, San Francisco, part of the Omnicom Group.

Richard Stainer, managing partner at Bartle Bogle Hegarty, London, joined the agency’s New York office as managing director. He succeeds Barney Robinson, who left to join Barton F. Graf 9000 as president. In London, Mr. Stainer was responsible for the Diageo and Google accounts; in New York, he will manage the agency’s relationship with Google globally as well as oversee the daily operations of BBH New York.

Thanasi Foods, Boulder, Colo., selected TDA_Boulder, Boulder, as agency of record for Duke’s Beef Jerky. Advertising and design had previously been handled internally. Spending was not disclosed.

Dan Verakis joined Cramer-Krasselt as senior vice president and director of public relations for the Chicago office. leading the agency’s public relations operation. He succeeds Rob Merritt, who left last summer, the agency said. Mr. Verakis had most recently run his own consultancy, Verakis Associates.

Paul Wright joined Mogehan Sun Casino, Uncasville, Conn., in a new post, chief marketing officer. He had most recently been chief marketing officer at the Bacardi USA unit of Bacardi.

Marcadores:

Bookmark and Share

Fabiana Murer leva o 1º ouro do Brasil em Campeonatos Mundiais

Fabiana Murer leva o 1º ouro do Brasil em Campeonatos Mundiais

Brasileira, que já éra dona do título mundial indoor, repete o feito na pista descoberta na Coreia do Sul e faz história

iG São Paulo

Fabiana Murer conquistou o primeiro ouro para o Brasil em Campeonatos Mundiais. Campeã mundial indoor, Fabiana competiu na pista descoberta no Mundial de Daegu, na Coreia do Sul, e garantiu a medalha de ouro no salto de vara ao ultrapassar o sarrafo a uma altura de 4,85m.

Fabiana Murer fez história ao conquistar o ouro nesta terça-feira no Mundial de Atletismo

Para chegar ao pódio, Fabiana começou a saltar com o sarrafo a 4,55m. Ela passou na primeira tentativa pela primeira altura e repetiu o desempenho nos 4,65m e também nos 4,75m. O primeiro erro da brasileira veio apenas nos 4,80m. Mas Fabiana logo se recuperou e venceu a altura na segunda tentativa. A atleta chegou a encostar no sarrafo, mas ele não caiu.

Logo depois, Fabiana Murer passou com perfeição pela altura de 4,85m. A alemã Martina Strutz era a únca que ainda brigava pelo ouro com Fabiana, mas resolveu elevar o sarrafo para 4,90m, falhou e ficou com a medalha de prata.

Com o ouro histórico no peito, Fabiana ainda tentou bater a sua marca. Ela ousou e subiu o sarrafo para 4,92m, mas não conseguiu completar o salto.

O pódio foi completado pela russa Svetlana Feofanova, com a marca de 4,75m. Já a russa Elena Isinbaeva, que voltou a competir nesta temporada, decepcionou. Ela começou a saltar em 4,65m, mas errou nos 4,75m e nos 4,80m, acabando apenas na sexta colocação.

Bookmark and Share

Tropical Storm Katia

Tropical Storm Katia


Tropical Storm Katia is expected to strengthen into a hurricane over the next several days as it moves off to the west-northwest in the eastern Atlantic Ocean.

As you can see on the projected path map below, Tropical Storm Katia is far away from land and it is too early to determine if any land areas will be affected in the future. It may not reach the longitude of the Leeward Islands until around Labor Day.

Interactive map: Projected path

To see the latest status and access our full collection of maps for tracking, use the links below or scroll down.

Click to access: Status | Satellite | Model Tracks

Tropical Storm Katia

So, where exactly is the cyclone's center located now? If you're plotting the storm along with us, click on the "Current Information" map below to get the latitude/longitude coordinates, distance away from the nearest land location, maximum sustained winds and central pressure (measured in millibars).


Latest status including wind speed, location, movement and pressure.

> See Current Storm Information



How does the system look on satellite imagery. Click on "infrared" satellite imagery, to see how "cold" the cloud tops are. Brighter orange and red shadings concentrated near the center of circulation signify a healthy tropical cyclone.


Latest enhanced satellite imagery.

> See Enhanced Satellite Loop



Meteorologists have a variety of numerical models to use as guidance in forecasting the track of tropical cyclones. Get an "inside look" at what these various models are saying regarding the track of this current system. (Important note: These model tracks should not be considered an official forecast. For the official forecast, see our current forecast swath.)

Enlarge this map
See where the various models forecast the center of this system to track.

> Enlarge Model Forecast Tracks



You can get a full briefing on the tropics in our "Tropical Update" video, our exclusive "Tropics Watch" graphics page or our Tropical Update news article.

Watch The Weather Channel for the latest on this system and other areas we're monitoring.

Bookmark and Share

LulzSecBrazil anuncia que abandonará ações virtuais

LulzSecBrazil anuncia que abandonará ações virtuais



O grupo de hackers Lulz Security Brazil divulgou no Twitter, neste domingo, que encerrará suas atividades virtuais para se dedicar ao ativismo real. Segundo a mensagem publicada no microblog, o anúncio oficial será feito na noite de hoje na webradio do grupo. Eles assumiram a autoria de diversos ataques e invasões a sites do governo, Ministério Público, Polícia Federal, entre outros.

“Hoje a partir das 20h30! Estaremos ao vivo na nossa webradio para anunciar o fim das atividades virtuais! E seguir rumo ao ativismo real”, anunciou o grupo no perfil @LulzSecBrazil.

O grupo seria o braço brasileiro do Lulz Security, que se apresenta como grupo de hackers que derruba sites a partir de ataques de DDoS – Distributed Denial of Service – apenas pela diversão (just for the Lulz). Em junho, a célula internacional invadiu os servidores da empresa Sony videogames e divulgou os dados de 100 milhões de usuários na internet.

Nesse mesmo mês, eles anunciaram uma parceria com o Anonymous, grupo que atacou empresas que deixaram de prestar serviços ao site WikiLeaks no final do ano passado, em uma iniciativa chamada “Operação Antisegurança” para rebater ações governamentais de controle da internet.

No entanto, a célula brasileira parece ter adotado uma posição mais política. Os ataques são seguidos da divulgação de informações supostamente retiradas dos bancos de dados da Polícia Federal, Ministério Públicos e outros órgãos governamentais. Em diversas mensagens, o Lulz Security Brazil conclama um levante popular contra a corrupção no Brasil, tendo organizado manifestações em algumas cidades brasileiras.

Fonte: tecnologia.terra.com.br

Bookmark and Share

Hackers invadem site do Setut e postam mensagem contra aumento da passagem #contraoaumento

Hackers invadem site do Setut e postam mensagem contra aumento da passagem

O site do Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Teresina (Setut) foi alvo da ação de hackers na noite nesta segunda-feira (29). Os ciberativistas apagaram todo o conteúdo da página e postaram apenas #contraoaumento.

A hashtag foi amplamente usada no Twitter por quem protestava contra o reajuste da passagem de ônibus na capital. Da noite de sexta para sábado, sem aviso prévio, o prefeito Elmano Férrer aprovou um aumento de 10% no valor da passagem.



O teresinense foi dormir com a passagem de ônibus custando R$ 1,90 e acordou com o valor de R$ 2,10 sendo praticado. Do dia para a noite o valor aumentou R$ 0,20, causando surpresa nos milhares de usuários do sistema.

O Setut é a entidade que comanda o transporte coletivo. Ela é formada pelos empresários donos das empresas de ônibus.

A invasão do site do sindicado patronal foi o desfecho de uma segunda-feira marcada por intensos protestos. Grupos formados por estudantes e trabalhadores protestaram por mais de 10 horas nas ruas de Teresina. Houve confronto com a Polícia Militar e seis estudantes foram detidos.

Uma nova manifestação está marcada para amanhã, às 11h, na Avenida Frei Serafim, centro de Teresina.

Fonte: piseichao.blogspot.com

Bookmark and Share

segunda-feira, agosto 29, 2011

Faturamento publicitário: R$ 12,86 bi no semestre

Faturamento publicitário: R$ 12,86 bi no semestre

Os veículos de comunicação tiveram um crescimento de 2,7% no primeiro semestre com venda de espaços comerciais, mostra o Projeto Inter-Meios

Fechados os números do Projeto Inter-Meios relativos ao primeiro semestre de 2011, o resultado mostra que a mídia brasileira faturou R$ 12,86 bilhões no período com a venda de espaços comerciais. O montante é 2,7% superior ao registrado nos seis primeiros meses de 2010, ano de Copa do Mundo, que sempre impulsiona os investimentos em comunicação. Esse valor não desconta a inflação.

O índice pode parecer modesto, mas é preciso observar que o primeiro semestre de 2010 foi excepcionalmente bom para o mercado publicitário que, na ocasião, obteve faturamento quase 30% acima do resultado do mesmo período de 2009. Diante disso, ampliar os valores por volta de 3% é considerado um desempenho positivo pelos veículos. E a aposta é que a tradição vai se confirmar, com o segundo semestre mais aquecido que o primeiro.

Os números do Projeto Inter-Meios, coordenado por Meio& Mensagem e com contabilização dos investimentos em mídia feita pela empresa de auditoria PricewaterhousCoopers, já incluem descontos resultantes de negociação entre as partes. Estima-se que o valor apurado pelo projeto corresponda a 90% do total faturado pela mídia brasileira.

Com uma fatia equivalente a 63,4% do total das verbas publicitárias, a TV aberta dá o tom do desempenho deste primeiro semestre: seu faturamento aumentou 1,8%, chegando a R$ 8,15 bilhões. A televisão tem a maior fatia, mas o maior índice de crescimento foi, mais uma vez, da internet: 16%. O meio faturou R$ 625,4 milhões e detém hoje 4,86% do share. A expectativa do Interactive Advertising Bureau (IAB Brasil) era um aumento entre 18% e 20% para o primeiro semestre e a previsão da entidade de alta para o meio é de 25% no ano.

Dentre as mídias mapeadas pelo Projeto Inter-Meios, a Mídia Exterior como um todo apresentou o segundo melhor índice de crescimento no faturamento publicitário (14,4%), ficando atrás apenas da internet. No total o meio arrecadou R$ 413,6 milhões com venda de espaços comerciais, com participação de 3,2% no bolo publicitário.

A TV por assinatura também registrou desempenho acima da média do mercado, da ordem de 10%, tendo faturado R$ 491,8 milhões no primeiro semestre. Entretanto, sua fatia no bolo publicitário (3,8%) ficou menor que a da internet. O aumento da base de assinantes e o sonho de consumo da classe média de ter canais pagos em casa são apontados como os fatores responsáveis pela boa performance do meio.

Na mídia impressa as revistas cresceram em linha com a média do mercado (3,2%) e os jornais ficaram na mesma, praticamente empatando com o faturamento do primeiro semestre de 2010. Em valor as revistas faturaram R$ 885,7 milhões (com share de 6,9%) e os jornais, R$ 1,6 bilhão (com participação de 12,4%).

Para rádio, cinema e guias e listas, o ano até agora não foi bom: eles viram seu faturamento publicitário encolher. No caso do rádio, cujo share está em 4%, a arrecadação ficou em R$ 512,6 milhões, 2,2% menor que no mesmo período de 2010. Os guias e listas viram as verbas publicitárias encolherem em 5,7% nos seis primeiros meses do ano (embora, no mês de junho, elas tenham crescido 16,1%), fechando o período com R$ 146,4 milhões. E, no caso do cinema, os R$ 40, 2 milhões do primeiro semestre de 2010 caíram para R$ 37,3 milhões este ano.

Os números completos estão no site do Projeto Inter-Meios (www.projetointermeios.com.br/), na aba Relatórios de Investimento. O acesso é livre.

Marcadores:

Bookmark and Share

O novo cigarro

O novo cigarro

Para combater a queda nas vendas, a indústria do tabaco tenta desenvolver um fumo que faça menos mal à saúde - e apela para engenharia genética e tecnologias radicais, como a máquina de fumar e o cigarro eletrônico. Será que dá para confiar?

por Texto Bruno Garattoni | Superinteressante

Fumar, todo mundo sabe, faz mal. E como: segundo a Organização Mundial da Saúde, o cigarro mata até 50% dos tabagistas. Por isso, cada vez menos gente fuma – no Brasil, a porcentagem caiu de 34% para 16% da população. Na maioria dos lugares públicos, não é permitido fumar. Nos EUA, a repressão é ainda mais forte: você não pode fumar num quarto de hotel nem dentro do carro, e até na rua está ficando mais difícil (é obrigatório manter uma distância de pelo menos 5 metros de qualquer porta). Em suma: no século 21, o fumo é execrado pela sociedade. Mas e se existisse um cigarro que não fedesse, não soltasse fumaça nem fosse perigoso para a saúde – ou que, pelo menos, não fizesse tão mal? Como 1 bilhão de pessoas no mundo ainda fumam, isso poderia salvar ou prolongar até 500 milhões de vidas (e isso sem contar as pessoas que sofrem os malefícios do fumo passivo). Será possível? Pouca gente sabe, mas já existem vários projetos científicos em busca de um “cigarro 2.0”. Mas como eles funcionam? O que a gigantesca indústria do tabaco, que fatura quase US$ 100 bilhões por ano só nos EUA, está fazendo para tentar sobreviver ao século 21? O que vai acontecer com o cigarro? E com os fumantes? Continue lendo a matéria e vamos descobrir.

Não é de hoje que a indústria do tabaco tenta desenvolver um cigarro menos prejudicial à saúde – ou pelo menos procura nos convencer disso. Os esforços começaram na década de 1950, com o lançamento dos primeiros cigarros com filtro, e a segunda onda veio nos anos 70, com os chamados “baixos teores”, ou seja, cigarros que contêm menos nicotina e alcatrão. Não adiantou nada: mesmo com filtro, o tabaco continua matando, e diversos estudos mostraram que os cigarros “light” fazem tanto mal, ou até mais, que os tradicionais. Mesmo que cada cigarro, em si, seja menos tóxico, o fumante acaba tragando mais, ou consumindo mais cigarros, para obter a mesma quantidade de nicotina (que é a substância viciante presente no tabaco).

A indústria do tabaco sabe disso há muito tempo – os primeiros relatos científicos dizendo que fumar faz mal foram publicados há quase 200 anos –, mas sempre preferiu mentir. Nos anos 60, chegou a veicular propagandas dizendo que determinada marca de cigarros era “a mais consumida pelos médicos”. Grotesco, não? E totalmente mentiroso. Como conseguia enganar as pessoas e manter estável o consumo de cigarros, a indústria do tabaco nunca precisou se mexer. Mas agora, finalmente, o cenário parece estar começando a mudar.

E por um motivo muito simples. Só no ano passado, as vendas da Philip Morris, que lidera o mercado de cigarros, caíram 24% nos EUA. Uma queda violenta, capaz de apavorar qualquer empresa. E relatórios produzidos por dois bancos multinacionais, a que a SUPER teve acesso, reforçam esse panorama. As gigantes do tabaco vêm tendo sérios problemas no mercado financeiro, onde suas ações estão “micando”. Ou seja: a rejeição generalizada ao cigarro, que você vê no seu dia-a-dia, começou a doer de verdade no bolso dos barões do fumo.

Até os médicos, que sempre se opuseram ao desenvolvimento de cigarros menos perigosos (pois, na opinião deles, isso poderia acabar atraindo novos fumantes ou desestimular as pessoas a largarem o vício), começam a aceitar a idéia. “Nós apoiamos os esforços para tornar o tabaco menos prejudicial à saúde”, afirma Tom Glynn, diretor da Sociedade Americana do Câncer. Se não é possível acabar com o fumo, faz todo o sentido tentar, pelo menos, salvar a vida de quem fuma. E há exemplos indicando que essa política de “redução de danos” pode funcionar : os países que começaram a distribuir seringas e agulhas descartáveis aos viciados em drogas viram cair o número de pessoas infectadas pelo vírus da aids.

Vários fatores estão contribuindo para reacender de vez a busca por um cigarro menos letal. O primeiro veio dos tribunais. Por incrível que pareça, a indústria do tabaco acaba de conseguir, em abril, uma enorme vitória na Justiça dos EUA. Ganhou um processo em que era acusada de enganar os fumantes sobre os verdadeiros riscos dos cigarros light e, com isso, se livrou de pagar uma multa de US$ 800 bilhões. Bilhões.

É uma soma inacreditável, quase tudo o que o Brasil inteiro produziu no ano passado, e seria um golpe quase mortal nas fabricantes de cigarros. Fora economizar toda essa grana, a vitória tem outro efeito. Interrompe a série de derrotas sofridas pela indústria do tabaco (a maior delas, nos anos 90, custou nada menos do que US$ 246 bilhões em indenizações), e gera um precedente jurídico que estimula o desenvolvimento de cigarros menos perigosos – pois as empresas, sem medo de processos, ficarão mais à vontade para usar seus avanços tecnológicos como argumento de marketing.

Um último motivo reforça todo esse interesse pelos cigarros menos tóxicos. Nos anos 90, a indústria chegou a desenvolver e testar, de forma clandestina, um tabaco que continha o dobro de nicotina. Só que, hoje, fazer isso seria ilegal – pois a quantidade de nicotina que cada cigarro pode ter é definida por lei (no máximo 1 miligrama). Então, resta aos cientistas empregados pela indústria do fumo fazer pesquisas sobre redução do câncer. E uma delas está dando o que falar.

Em abril, uma fabricante de cigarros publicou um estudo, feito com cientistas das Universidades do Kentucky e da Carolina do Norte, anunciando a criação de um tabaco geneticamente modificado que contém até 90% menos nitrosaminas – a mais perigosa, e cancerígena, classe de substâncias químicas presente no tabaco. Se for verdade, é um avanço notável: até então, o máximo que os cientistas haviam conseguido era reduzir em 20% as nitrosaminas. Mas a coisa não é tão simples. Por enquanto o novo supertabaco, que não tem data para chegar ao mercado, só foi testado in natura, ou seja, como plantinha. E a realidade é diferente.

Como veio ao mundo, a folha de tabaco tem cerca de 300 substâncias químicas – entre elas a nicotina e mais 16 compostos cancerígenos. Só que as empresas de cigarro colocam mais 600 aditivos: tem de tudo, de conservantes a aromatizantes (inclusive um que, veja só, é feito a partir de secreções genitais de castor), passando por coisas como hidróxido de amônia – que supostamente ajuda a liberar a nicotina contida no tabaco. E se a gente tirasse esses aditivos? Ficariam só a nicotina e os 16 cancerígenos naturalmente presentes no tabaco.

Nos EUA, existem várias empresas que vendem justamente isso: um fumo supostamente 100% orgânico, sem aditivos. Só que, na prática, ele é quase tão perigoso quanto o cigarro tradicional. E, segundo acreditam alguns cientistas, por um motivo inusitado. O fogo.

Fumo em transe

Quando o fumante acende um cigarro, detona um verdadeiro caos molecular. A 1 000 oC , que é a temperatura aproximada da brasa do cigarro, as 300 substâncias do tabaco se decompõem e se recombinam de forma descontrolada – e maligna. Resultado? Nada menos do que 4 700 compostos químicos, dos quais 60 são comprovadamente cancerígenos. Ou seja: mesmo se for possível, um dia, manipular tudo que existe dentro da planta de tabaco e eliminar o que dá câncer, não é possível controlar o que acontece quando ela pega fogo.

Não há estudos definitivos a respeito, mas alguns cientistas acreditam que tudo acontece devido à quebra de moléculas causada pela alta temperatura. Quando o cigarro queima, alguns átomos de oxigênio se soltam e se ligam a outras moléculas – tanto as naturais da planta de tabaco como também as dos aditivos colocados durante a fabricação do cigarro. E é isso que, supostamente, provoca a multiplicação de toxinas. Reduzindo a temperatura, seria possível inibir a formação das substâncias cancerígenas. Pelo menos, a idéia é essa.

As pesquisas começaram com o Eclipse, que foi criado pela multinacional Brown & Williamson nos anos 90. Era um cigarro de aspecto e funcionamento normais: você acendia (com isqueiro ou cigarro), punha na boca e tragava. A diferença é que, em vez de brasa, o Eclipse tinha um pedacinho de carvão quimicamente tratado, que só atingia 300 OC. O suficiente para fazer fumaça, mas apenas um terço da temperatura de combustão de um cigarro comum. Em teoria, isso reduz a atividade molecular durante a queima do tabaco – e diminui a quantidade de substâncias cancerígenas. O Eclipse chegou a ser lançado no mercado americano, mas foi um megafracasso e virou motivo de piada entre os fumantes, que odiaram o sabor do produto. Ainda bem. Pois, alguns anos mais tarde, um estudo mostrou que o carvão liberava suas próprias substâncias cancerígenas, ou seja, o novo produto não era nada seguro.

Entra em cena uma proposta ainda mais radical – a maquininha de fumar. O fumante introduz o cigarro num aparelho portátil, que se chama HeatBar, e dá a primeira tragada. Aí, o computador de bordo aciona uma resistência elétrica (como a de um chuveiro), que esquenta o tabaco a aproximadamente 300 graus, e a fumaça é liberada. Na prática, trata-se de um cigarro de “baixa temperatura”, como o Eclipse. Mas com uma grande novidade. O cigarro não fica aceso o tempo todo – depois que o fumante dá a tragada, a maquininha desliga automaticamente a resistência elétrica, e o cigarro pára de queimar. Com isso, pára de emitir fumaça. A conseqüência, segundo os inventores do HeatBar, é uma grande redução, de até 90%, no fumo passivo.

Na prática, essa tecnologia é uma tentativa de driblar as proibições de fumar em locais públicos. O aparelho já está à venda na Europa, mas por enquanto não fez muito sucesso. Talvez porque ele seja, pura e simplesmente, ridículo. A maquininha é grande, tem mais ou menos o tamanho de um charuto. E o HeatBar não pode ser considerado seguro: como o sistema inclui tabaco, o fumante continua ingerindo boa parte das substâncias cancerígenas presentes num cigarro normal.

O fim do tabaco?

“Queimar tabaco nunca será seguro. Mas é possível criar outras maneiras de fornecer a nicotina para o fumante”, diz o cientista Thomas Eissenberg, que faz pesquisas sobre tabaco na Universidade da Virgínia e testou praticamente todos os cigarros de alta tecnologia já desenvolvidos. Segundo Eissenberg, a resposta é criar um cigarro sem fumo. Parece bizarro, mas já existe: é o cigarro eletrônico, que já está à venda em 7 países. Dentro dele, fica um líquido que contém nicotina pura. Essa solução é aquecida por um circuito elétrico e vira vapor – que é tragado pelo fumante. E, como esse vapor só contém água e nicotina, o cigarro eletrônico poderia reduzir bastante o risco de câncer (pois a nicotina, teoricamente, não tem esse efeito). O problema é que cada cigarro eletrônico tem 20 vezes mais nicotina do que o comum. E isso, além de aumentar a possibilidade de o usuário se viciar, pode ser perigoso para a saúde. “A nicotina é tóxica. E, conforme a dose, pode ocasionar parada cardíaca”, explica a médica Tânia Cavalcante, do Instituto Nacional do Câncer.

Segundo seus inventores, o cigarro eletrônico tem um dispositivo que limita a quantidade de tragadas que o fumante pode dar, eliminando o risco de envenenamento. Na China, a novidade está pegando: já foram vendidos mais de 300 mil cigarros eletrônicos (da marca Ruyan). Um bom patamar, considerando que o produto é caro – um kit com o aparelho e 5 ampolas de nicotina custa US$ 200.

Mesmo com todo o oba-oba em torno dos cigarros high tech, a verdade é que eles ainda representam uma parcela insignificante da indústria do fumo. O que as empresas realmente querem, claro, é continuar ganhando com os cigarros tradicionais – cujo custo de produção é muito menor. A multinacional Philip Morris, por exemplo, investe apenas US$ 100 milhões por ano em pesquisas de alta tecnologia. É uma quantia irrisória, menos do que a empresa gasta para patrocinar a equipe Ferrari, na Fórmula 1. Para continuar vendendo cigarros sem investir muito, a estratégia é apostar nos países subdesenvolvidos, onde as pessoas têm menos acesso à informação (e, portanto, tendem a fumar mais).

E, nos países ricos, criar variações sutis para os produtos que já existem. Isso porque, como nesses mercados a propaganda de tabaco é fortemente limitada, fica muito difícil construir do zero uma nova marca. Nos EUA, a última novidade chega a ser bizarra: um cigarro desenvolvido especialmente para o público feminino, que tem detalhes de verde e rosa pintados no filtro e usa o slogan “leve e sedutor”. Hã? Por mais que a tecnologia evolua, o vício em nicotina nunca será leve, nem sedutor. Mesmo que, um dia, os cigarros sejam mais seguros, eles jamais serão totalmente confiáveis. “Pular do 3O andar de um prédio é menos perigoso que pular do 10O? Não”, explica Tom Glynn, da Sociedade Americana do Câncer. Verdade.

O cigarro do futuro pode até ser diferente; mas o futuro do fumante, não. A melhor maneira de evitar problemas de saúde é, e sempre vai ser, a mais prosaica de todas. Parar de fumar.

• A maioria dos fumantes é do sexo masculino e tem de 18 a 24 anos

• O cigarro mata até 50% dos fumantes

• A China é o país onde mais se fuma: 57,4% dos homens

• Apenas 15 países colocam mensagens de advertência nos maços de cigarro

• A cada 10% de aumento no preço do cigarro as vendas caem até 8%

• Entre pessoas internadas por problemas psiquiátricos 59% fumam


Maquininha de fumar

Um computador controla a queima do cigarro - para que ele fique aceso pelo menor tempo possível

1. ACENDIMENTO

O fumante introduz um cigarro no aparelho, e o computador de bordo é ligado automaticamente.

2. TRAGADA

O fumante traga. O computador percebe isso, e aciona o circuito de aquecimento – que queima um pedacinho do cigarro.

3. FUMAÇA

O cigarro produz fumaça, que é aspirada pelo fumante. Em frações de segundo, o circuito de aquecimento é desligado. O calor não se propaga pelo cigarro, que apaga. Com isso, a produção de fumaça é reduzida em até 90% – atenuando o problema do fumo passivo.

BATERIA

Dura centenas de tragadas. Mas, como é embutida, o fumante não pode levar uma sobressalente.

COMPUTADOR

Controla o processo. Tem um visor que indica quantas tragadas restam no cigarro.

CIGARRO

A máquina requer cigarros especiais, que são feitos com um tipo diferente de papel.

Cigarro eletrônico?

Dispensa o tabaco, que é o grande causador de câncer nos cigarros tradicionais, e libera nicotina pura

1. ACENDIMENTO

O fumante aperta o botão liga-desliga. A resistência elétrica é ativada e vai esquentando a chamada câmara de vaporização.

2. TRAGADA

O fumante traga. Quando isso acontece, o chip controlador dá uma ordem à resistência – que aumenta de temperatura.

3. FUMAÇA

Com o calor intenso, a solução química ferve. Ela vira um vapor rico em nicotina – que sai pela ponta do cigarro e é aspirado pelo fumante.

BATERIA

Pode ser destacada e recarregada numa tomada comum. O fumante pode ter baterias sobressalentes.

CÂMARA DE VAPORIZAÇÃO

Contém uma resistência elétrica (que faz ferver a solução química), e um microchip, que controla o processo.

CARTUCHO

É onde fica a solução química. Contém nicotina equivalente à de 20 cigarros tradicionais.

Para saber mais

Search for a Safe Cigarette (DVD)

Documentário que pode ser encomendado, por US$ 20, no site www.amazon.com.

Marcadores:

Bookmark and Share

Job-hunting? Facebook, LinkedIn and You --Six Social Media Tips

Job-hunting? Facebook, LinkedIn and You --Six Social Media Tips

Two-thirds of adult internet users now say they use a social networking site like MySpace, Facebook or LinkedIn, more than double the percentage that reported social networking site usage in 2008, according to a new survey released Friday by the Pew Research Center.

And for the first time in Pew Internet surveys it means that half of all adults use social networking sites. Among the Boomer-aged segment of Internet users ages 50-64, social networking site usage on a typical day grew a significant 60 percent from 20 percent to 32 percent. “Many Baby Boomers are beginning to make a trip to the social media pool part of their daily routine,” Mary Madden, Senior Research Specialist and co-author of the report, says.

The rise is driven by all ethnic and age groups, but women stand out as the most avid users, according to the Pew Internet & American Life Project. Seven out of 10 women said they used the social media sites, compared to six in 10 men.

If you’re one of the many older Americans working, or planning to work, into your 60s for the extra income boost and to keep shoveling cash into your retirement funds, you should be one of the new acolytes. If not, get aboard.

For 50-plus workers, technology can be a stumbling block to finding a job. Many employers are dubious about whether older workers are at ease using Internet tools. Moreover, most job searches nowadays are via the Internet – yep, social media platforms such as Facebook, LinkedIn, Twitter, and most recently, Google + have transformed how you job hunt.

As I note in Too Old for The Job? 5 Strategies For 55+ Job Hunters, you must be comfortable with computers and basic programs, navigating the web, e-mail, and mobile technology.

There’s a view out there that once you cross over the big 50, you resist learning new technology. Not cool. For those of you who are looking to switch into a new career or build a small business, it’s even more important to prove them wrong.

To help you steer through the latest landscape, here are six social media moves.

1. Become a LinkedIn member. I view LinkedIn as the social media tool for every job seeker. For companies, it’s where they go these days when they have a job to fill. For you, it’s a fast way to build a far-reaching professional network. And in a harsh job market, networking rules. I can’t lay its importance on thick enough. Stay active on it. Join alumni and industry groups. Try connecting to a few new people each day.

As I wrote in this post– Want an Unbeatable Résumé? Read These Tips from a Top Recruiter, LinkedIn actually does help people in their job searches. It’s easy to create a profile and begin linking to new contacts. You can update regularly and get recommendations from colleagues, previous bosses, and clients. You can research companies and individuals you want to target, connect with former associates, and let them know you are looking for new opportunities.

To help you get rolling, LinkedIn has a Learning Center that offers a new-user guide and clear directions for creating a profile. There are special guides to help a myriad of users from small businesses to entrepreneurs, job seekers, students, and nonprofits. For a good tutorial on getting started, read my colleague’s Susan Adams’ post Make LinkedIn Help You Find A Job.

LinkedIn also has an ‘Apply Now’ button in the Jobs section that makes it easier for you to connect with companies that have open positions. From any job listing, click on the button that appears in the top right corner, and it will zap your LinkedIn profile and contact information to that business. You can also send along a cover letter and resume, too.

2. Try SimplyHired’s ‘Who Do I Know?’ tool. When you use the job-board search engine SimplyHired to do a job search, the tool — called Who Do I Know? — hooks up the results with your Facebook and LinkedIn connections who currently work at the hiring company, worked there in the past, or are connected to a person who is employed there. To set up the tool, you give SimplyHired permission to grab data from your Facebook and LinkedIn accounts.

3. Sign up for a Twitter account. I am a Twitter fan for a bunch of reasons, but one selling point is there’s no need for a personal introduction or recommendation like you need with LinkedIn. You can get the scoop on people just by following their tweets and share ideas and tips with other job seekers and pros. Plus, you’re constantly expanding your network. (You don’t have to follow everyone who follows you-choose those who interest you.) I chat daily with Twitter friends whom I’ve never met, or worked with, but we share ideas and information, send private messages. We help each other out. In my case, they might suggest sources for stories I’m reporting, or point me toward research on a topic.

4. Participate in online job real time chats. Check out Twitter chats like #jobhuntchat, one of the largest regular chat groups on Twitter dedicated to job search, and #careerchat. You can find information about employment trends, firms that are hiring and network with recruiters and other job seekers. Several conversations are running at the same time, so hone in on the one that’s up your alley. Sometimes sponsors post transcripts. For example, I did an AARP, Your Life Calling one with Jane Pauley for career changers. If you missed it, you can read it here.

5. Tap into virtual job fairs. It’s all there online, company recruiters, experts, and so forth. The American Jobs Conference, a day-long career fair, took place July 19 on Twitter and included a session on job searches for midlevel workers or people changing careers. Dan Schawbel, a Forbes contributor, held a session on What Is My Personal Brand & Why Do I Need One? MBA International held a month-long virtual career fair in April sponsored by Duke Fuqua School of Business, The University of Virginia’s Darden School of Business, Yale, and others. Attending employers included: Alcoa, Lilly, and Microsoft. You can find virtual job events like these by doing a Google search.

6. Join Facebook. It’s not just for your kids. In my opinion, the site gets a bad rap from people being dumb enough to post embarrassing pictures and write inane comments. But if you set your privacy settings properly, and highlight your work experience and education on your profile, the site has lots to offer. It’s OK to list your hobbies and comment or post articles you find interesting, but keep it tasteful. Think of it as a way to let people learn a little about you. It can open doors to great conversations in a job interview, too. Plus, you are, wait for it, building your network often with people who know you from high school and college. Trust me, they can turn out to be great sources when you’re job hunting. You never know where you might get an introduction to a potential employer, or hear of a job opening.

Bottom line: Using social media helps waylay “older worker” concerns employers may have about you. If you’re using LinkedIn and are on Twitter, have a web site, or a blog even, it’s darn hard to make a case that you are a Luddite.

Final housekeeping note: Have a professional e-mail address for prospective employers to email you at that is your first and last name, if possible. It takes a few minutes to set up a free Gmail account. Who is going to take you seriously if your e-mail is partygirl@aol.com?

Marcadores: ,

Bookmark and Share

Dr. Sócrates: “Vou encher muito o saco desse povo ainda, vou viver bastante”

Dr. Sócrates: “Vou encher muito o saco desse povo ainda, vou viver bastante”

De Vitor Birner

A recuperação do Magrão continua rápida e boa!

Estive hoje com ele e bati um papo.

Reproduzo nossa conversa no post.

Boa noite, Sócrates. E o susto?

Na verdade não foi um susto, foi uma viagem, ao “estilo Casão”. Foi muito louco, mas interessante porque consegui rever muita gente que há muito tempo eu não tinha contato, e que gosto.

Como está se sentindo agora?

A evolução está sendo excelente, é o que eles comentam. Deve ter a ver com aquela historia desportiva que se carrega: o corpo (de atletas) de alguma forma reage diferente. Foi uma paulada mas até o fim de semana eu estou em casa, tá tudo legal.

E a recuperação? Terá restrições, como será a alimentação, há recomentações?

Deve ter alguma coisa. Deverei tomar uma medicação pra diminuir a capacidade de organização plaquetária do sangue. Alguns detalhes assim, mas alimentação talvez não mude muita coisa. Mas tem alguns limites tem que tomar, e aí é opção sua ou não. Se você quer viver, e eu quero – vou encher o saco muito desse povo ainda, vou viver bastante…

O carinho que as pessoas tem por você é muito grande. Não é só do corinthiano. Você tem a ver, para pessoas de 40 anos por exemplo, com adolescência, infância, paixão pelo futebol, pela vida… Você já conseguiu perceber isso aqui do hospital? Viu os comentários das pessoas?

Eu sempre vi isso como algo concreto. Muito mais que qualquer outra coisa, eu sou um brasileiro e sinto-me instigado a ser um representante popular mesmo sem mandato. Isso desde o começo. Tudo que eu sou hoje e que eu virei, tem muito a ver com essa relação com o povo brasileiro, representado pela torcida corinthiana, mas pode ser qualquer um. É rico poder fazer parte dessa história e agora ocorreu mais uma grande demonstração disso, o carinho das pessoas, rezarem e torcerem, e tal. De alguma forma a gente está sendo importante pra eles e eu quero continuar sendo assim.

Tá com saudade do que lá da rua?

De nada não, só de casa. Louquinho para voltar pra acasa, tomar um banho…

Você ficou um tiozinho heim?

Eu sou um tiozinho jovem, digamos (risos)

Clique no link abaixo e ouça a entrevista.

Gravacaosocrates

Escrito por Vitor Birner

Marcadores:

Bookmark and Share

sábado, agosto 27, 2011

Corinthians reformulará programa Fiel Torcedor

Corinthians reformulará programa Fiel Torcedor

Em entrevista ao Meio & Mensagem, Caio Campos, gerente de marketing do clube, fala sobre patrocínio, naming rights do estádio e a TV Corinthians

Renato Pezzotti| Meio e Mensagem

+

Caio Campos, no estúdio da TV Corinthians montado no Parque S. Jorge Crédito: Arthur Nobre

O departamento de marketing do Corinthians é um dos que mais tem feito barulho nos últimos anos. Dirigido pelo economista Luís Paulo Rosenberg, quem fica à frente do dia-a-dia é Caio Campos, gerente da área, que comanda uma equipe de 10 pessoas. A grande novidade para 2012 será o relançamento do programa Fiel Torcedor, que agora contará com um “RG” para os torcedores. Na semana que vem, quando o clube comemora 101 anos, o departamento realizará uma festa popular para os torcedores, na zona leste da cidade. Acompanhe a conversa com o executivo.

Programa Fiel Torcedor
Temos 80 mil usuários, sendo 45 mil deles com o pagamento em dia. Mas o programa vai mudar bastante, no conceito, para 2012. Ele vai se incorporar à República Popular do Corinthians e se transformará num "RG". Esse documento será um cartão de crédito, com uma rede de benefícios, como um cartão de crédito e débito de qualquer bandeira. Os pontos poderão serão trocados por produtos do Corinthians nas lojas franqueadas, mas também por bilhetes de cinema, passagens aéreas, etc. O RG também terá o sistema de acesso ao estádio pelo Fiel Torcedor. Com isso, a gente quer colocar mais de um milhão de cartões na rua. O torcedor vai pagar uma taxa pelo cartão e vai poder usá-lo diariamente. Mas se ele quiser ir ao jogo, ele pode entrar no site, habilitar seu RG e pronto. Acaba o ingresso em papel, acaba com o cambista.

Aniversário da República Popular do Corinthians
A próxima ação é a eleição do 1º presidente da República Popular do Corinthians, com essa campanha que está no ar, criada pela Peabirus, do Cacau Guarnieri, uma agência voltada para web. A repercussão tem sido grande porque conseguimos inserir o filme no intervalo do Jornal Nacional e da novela das 9, da Rede Globo. Estamos utilizando nosso espaço negociado na emissora, como todos os clubes poderiam usar. Enviamos esse planejamento de mídia e tem dado certo. Na semana que vem, quando o clube completará 101 anos, faremos uma festa popular na zona lesta da capital.

TV Corinthians
Nosso único grande entrave da TV Corinthians é a entrada na Net/Sky, por uma questão técnica. Qual foi a grande mudança? Entramos na Telefônica, o que triplicou o número de assinantes. Com isso, chegamos a um milhão de pessoas, com a programação aberta nas duas operadoras. As mais de 100 lojas da Poderoso Timão venderão assinatura da Telefônica até o final de setembro. Temos seis horas ao vivo por dia, com cerca de 40 profissionais atuando no estúdio, no Corinthians, e conteúdo gerado também pela Casa de Vídeo. Estamos crescendo no número de anunciantes: já temos Capemisa, Poderoso Timão, Cruzeiro do Sul, Samsung, Nike, NeoQuímica, Wilson e muitas lojas de varejo. Já está andando quase sozinho. Nosso objetivo é que aconteça isso até o começo do ano que vem. Também passamos a transmitir pelo Facebook, na página do clube.

Agência Corinthians
A Agência Corinthians ainda existe. A gente se reúne pouco, mas acontece. Temos o programa na TV, o “Marketing em Branco e Preto”, apresentado pelo Ângelo de Sá Jr., sócio-diretor da Indoor Mídia e pelo Ângelo Derenze, da Casa Cor. O departamento de marketing aqui cresceu muito. Já temos 10 profissionais atuando aqui, mas nem chegamos perto dos mais de 40 no Cruzeiro, por exemplo. Temos investido bastante na estrutura interna. Adquirimos recentemente um CRM americano chamado Sales Force, com a integração de todos os bancos de dados do Corinthians – sócios, participantes do Fiel Torcedor, clientes da ShopTimão, do TimãoTur. Com isso conseguiremos mapear todos os participantes do nosso ciclo. Posso montar o quebra-cabeça completo do cliente. Temos mais de 170 contratos de licenciamento e conseguiremos coordenar isso com mais facilidade. Há três anos ninguém imaginava que um clube iria ter isso. Consigo analisar tudo de uma maneira mais clara, com o desempenho das empresas na hora que nós quisermos.

+

Parte da equipe de marketing do clube, que conta com 10 profissionais - pouco se comparado ao Cruzeiro, que tem mais de 40 pessoas na quipe Crédito: Arthur Nobre

Estádio
Estamos acertando com uma agência grande de promoção para fecharmos todas as propriedades do estádio para colocarmos no mercado no meio de 2012. O valor do naming rights é de cerca de R$ 15 milhões/ano, mas isso só será acertado quando conseguirmos colocar o book de comercialização. É muito cedo para vender esse direito. Só deve acontecer quando o estádio já estiver de pé, definido como estádio da Copa, do primeiro jogo do Mundial e tudo mais.

Patrocínio no uniforme
Em 2008, a gente tinha por relatório do Informídia que o patrocínio estava muito abaixo do que a gente entregava. Patrocínio é muito mais do que visibilidade. Mas hoje, no mercado publicitário, eles querem saber quanto o clube vai render de mídia na televisão e quanto deverão pagar por isso. A gente também acha que o uniforme deveria ser todo branco. Quem sabe daqui a cinco anos, quando o estádio estiver pronto, poderemos fechar com a Unicef, por exemplo....Mas hoje não é nossa realidade. Temos uma oportunidade de negócio que não podemos desperdiçar. Não consigo colocar R$ 20 milhões no clube sem oferecer visibilidade. Não somos nós que regulamos o mercado. Se eu tenho espaço, visibilidade e o anunciante tem interesse, o negócio vai acontecer. Agora, a gente estava tão certo que todos os grandes clubes do País estão assim.

Esportes olímpicos
É muito complicado conseguir patrocínio para nossos outros esportes. A gente pretende arrecadar mais no futebol para separar uma parte para nossos olímpicos. Eu não sei se é cultura, não sei se é formato de TV, mas está muito difícil. Uma marca tão forte quanto o Corinthians tem uma dificuldade muito grande em conseguir patrocínio para o futsal, por exemplo. Com R$ 100 mil a gente consegue montar um time muito forte em várias modalidades, mas mesmo assim não conseguimos acertar com um anunciante. A gente vasculhou o mercado e não captamos nada. Oferecemos até espaço na TV Corinthians e não chega nenhuma proposta. É inacreditável. Temos o handebol feminino, por exemplo, somente até as categorias antes do adulto porque não temos patrocínio para a equipe principal.

Marcadores:

Bookmark and Share

Dan Miller Knows He’s Venturing into Dangerous Territory at UFC 134 Rio

Dan Miller Knows He’s Venturing into Dangerous Territory at UFC 134 Rio

Dan Miller at UFC 128

Dan Miller at UFC 128

This Saturday night, a pair of Brazilian Jiu-Jitsu black belts will meet in the Octagon as middleweights Dan Miller (13-5) and Rousimar Palhares (12-3) square off at UFC 134 in Rio de Janeiro.

Fresh off a loss to former No. 1 contender Nate Marquardt and holding a UFC record of 6-4, Miller will look to get a much needed win over his Brazilian adversary. However, it is not just his adversary he will have to overcome, it will also be the screaming Brazilian fans.

“I am expecting a crazy crowd, but I’m going into that fight and I’m going to try and block everything else out and just go in there and concentrate on Rousimar,” Miller told MMAWeekly Radio.

“It’s going to be a tough fight as it is and I really don’t need the crowd trying to get into my head. So I’m just going to concentrate on the fight and that’s basically it.”

While the crowd will certainly be in favor of Palhares, there is a certain level of pressure that is on the Brazilian that Miller acknowledges. Even with the pressure on his opponent, Miller doesn’t feel that it’s an advantage and hopes his opponent brings his best on Saturday.

“There’s always pressure. Yeah that adds a little pressure to him, but I still got to go in there and get the win and I’m still going in there to finish him regardless of where it is. I think it does add a little pressure, but he’s a professional also and I’m sure he’s going to be concentrating on just fighting me, blocking everything else out, and I hope he brings his best.”

Miller admires Palhares’s leg lock abilities and believes that it’s tough to train for someone like him. However, Miller has seen this position before, being a Brazilian jiu-jitsu black belt himself, and feels prepared to deal with the onslaught of submissions from his adversary.

“He’s a very, very, dangerous fighter because he’s a leg lock guy. You rarely, rarely, ever see a guy who is that good in jiu-jitsu where it’s one aspect. Demian Maia, who is a fantastic jiu-jitsu guy, is good all over; it’s one of those things where he puts stuff together. With Rousimar, it’s how many times have you ever seen a guy that good at leg locks? So I think it’s tough to train for a guy like that, but I’ve been training jiu-jitsu for a long, long time and I think I’m ready for it.”

Marcadores:

Bookmark and Share

sexta-feira, agosto 26, 2011

Novo caminho para a Paz - Palestina

Caros amigos,

Hoje o Conselho de Segurança da ONU se reuniu para discutir o apelo da Palestina para se tornar o 194º país do mundo. No entanto, governantes de países de destaque ainda estão em cima do muro. Somente um esforço gigantesco da opinião pública pode mudar a situação.

A Avaaz fez um pequeno, mas emocionante vídeo mostrando que essa proposta legítima é de fato a melhor oportunidade para acabar com o beco sem saída das infinitas negociações mal-sucedidas e abrir um novo caminho para a paz.

Clique para assistir o vídeo, assine a petição e, em seguida, encaminhe para todos:

Clique aqui para assistir ao vídeo!

Clique aqui para assistir ao vídeo!

www.avaaz.org/mepeacepo

Enquanto a violência se espalha novamente e as tensões sobem no Oriente Médio, uma nova proposta de independência da Palestina ganha fôlego em todo o planeta. Se conseguirmos a aprovação dessa proposta na ONU, ela poderá significar um novo caminho para a paz.

Porém, os chefes de governo de países de destaque ainda estão em cima do muro e para convencê-los a apoiar a independência da Palestina precisamos reforçar a pressão da opinião pública. Muita gente acha que não entende a situação suficientemente bem para se mobilizar. Para ajudar, a Avaaz fez um novo vídeo de curta duração contando a verdade sobre o conflito. Se uma quantidade suficiente de pessoas assistir ao vídeo, assinar a petição e a encaminhar a todos os seus contatos, nossas lideranças serão forçadas a nos ouvir.

Quase 10 milhões de membros da Avaaz estão recebendo este e-mail. Vamos mudar o teor da conversa sobre o Oriente Médio e criar um maremoto de apoio à independência da Palestina. Clique no link abaixo para assistir ao vídeo, assine a petição e, em seguida, encaminhe este e-mail a todos os seus contatos:

http://www.avaaz.org/po/middle_east_peace_now/?vl

Enquanto a maioria dos palestinos e israelenses querem uma solução para o conflito baseada em dois Estados, o governo extremista de Israel continua aprovando a construção de assentamentos em áreas contestadas, alimentando ódio e massacres. Apesar dos esforços, décadas de negociações para a paz lideradas pelos EUA fracassaram na tentativa de refrear os inimigos da paz e chegar a um acordo.

Hoje, essa proposta de independência poderia ser a melhor oportunidade em vários anos para sair do impasse, evitar outra espiral da violência e equilibrar o campo de ação entre as duas partes em favor das negociações.

No mês passado, os palestinos apresentaram sua proposta ao Conselho de Segurança. Mais de 120 países a apoiam, mas os Estados Unidos não só a rejeitam como estão enviando um claro sinal a seus aliados europeus de que qualquer apoio à proposta legítima dos palestinos dificultaria as relações bilaterais. Cabe a nós dizer às lideranças de países europeus de destaque que a opinião pública apoia esse avanço não-diplomático e não-violento e que a opinião dos cidadãos é que deveria influenciar as decisões estratégicas, e não as preferências do governo americano.

Nossa campanha está explodindo em todo o mundo -- mais de 830.000 membros se juntaram ao apelo nos primeiros dias! Ela foi mencionada na primeira página de grandes veículos de notícia, citada no Conselho de Segurança da ONU e tuitada pelo próprio presidente da Palestina! Agora vamos fazer com que ela ressoe nos ouvidos das lideranças de países europeus de destaque, cujo apoio é crucial. Clique no link abaixo para assistir ao vídeo, assine a petição e, em seguida, encaminhe este e-mail a todos os seus contatos – nossa meta é conseguir 1 milhão de assinaturas:

http://www.avaaz.org/po/middle_east_peace_now/?vl

Há muita falta de informação sobre o conflito entre Israel e Palestina e muita gente não se sente segura para se engajar. Mas este pequeno vídeo explica claramente os detalhes e pode nos munir de informações para uma mobilização. Por sermos uma sólida rede global reforçada por quase 10 milhões de membros em todos os países do mundo, temos a oportunidade de provocar uma votação capaz de reverter décadas de violência.

Com esperança,

Alice, Pascal, Emma, Ricken, David, Rewan e a equipe da Avaaz

MAIS INFORMAÇÕES:

EUA declaram que novos assentamentos de Israel na Cisjordânia são 'preocupantes’ (UOL)
http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2011/08/15/eua-novos-assentamentos-judeus-sao-profundamente-preocupantes.jhtm

Palestinos pedirão entrada na ONU como Estado-membro em setembro (Folha.com)
http://www1.folha.uol.com.br/mundo/959322-palestinos-pedirao-entrada-na-onu-como-estado-membro-em-setembro.shtml

Presidente irá pedir reconhecimento do Estado Palestino na ONU (R7 Notícias)
http://noticias.r7.com/internacional/noticias/presidente-ira-pedir-reconhecimento-do-estado-palestino-na-onu-20110816.html

Quarteto 'preocupado' com novos assentamentos de Israel (Veja)
http://veja.abril.com.br/noticia/internacional/quarteto-preocupado-com-novos-assentamentos-de-israel

Marcadores:

Bookmark and Share

Crescem lucros do grupo WPP

Crescem lucros do grupo WPP

Dado é importante porque grande meta das holdings é elevar lucratividade a níveis pré-crise

Felipe Turlão| Meio & Mensagem

+

Sorrell: WPP teve crescimento no lucro operacional de 37% no primeiro semestre

O grupo WPP teve um crescimento de 37% no lucro operacional no primeiro semestre de 2011, na comparação com o mesmo período no ano passado.

O dado é bastante relevante dado o momento que os grandes grupos enfrentam. Após o período de recessão, eles buscam retomar a lucratividade pré-crise financeira.

Para comparar, o rival Omnicom teve alta de 17% no lucro líquido neste mesmo período. O CEO John Wren afirmou na época da divulgação dos resultados que o grupo precisava retomar os mesmos níveis de lucro de 2007, e que isso deverá ocorrer em 2012.

Já o Interpublic teve lucro operacional de US$ 174 milhões no segundo trimestre de 2011, o que representou uma queda em relaão aos US$ 177 milhões do mesmo período em 2010. A holding atribuiu o resultado aos altos custos com pessoal, aos fracos resultados do mês de junho, além da redução de investimentos por clientes dos segmentos de bens de consumo, tecnologia e telecomunicações.

Já o Publicis reportou alta de 8,4% no lucro líquido no primeiro semestre. O CEO Maurice Lévy afirmou que espera que 2011 confirme a meta de ampliar as margens operacionais em relação aos anos anteriores.

Receitas do WPP
Estados Unidos e Reino Unido foram os destaques do WPP em termos de receita. A operação norte-americana representa 35,6% das receitas e teve alta de 5,4% no primeiro semestre, o que foi considerado “um forte crescimento”. Do mesmo modo, a operação britânica cresceu 5,1% e passou a representar 12% dos negócios.

A América Latina ofereceu crescimento de 12% para o WPP. Já na Europa, há altos e baixos. Países como Alemanha, Irlanda, Holanda e Turquia tiveram alta acima de 10%, ao passo que França, Grécia, Portugal e Espanha não foram tão bem.

Marcadores: ,

Bookmark and Share

CVC aproveita fim de Insensato Coração para vender promoção

CVC aproveita fim de Insensato Coração para vender promoção

Com investimento de R$ 3 milhões companhia aposta na audiência da Globo

A companhia de viagens CVC lança no sábado, 20, a Super Semana CVC, com promoções e descontos de até 25% para viagens nacionais e internacionais em qualquer temporada.

Para chamar a atenção dos brasileiros, a companhia estreia uma campanha, criada pela Publicis Red Lion, na noite desta sexta-feira, durante o intervalo comercial de Insensato Coração (Rede Globo). Com investimento de R$ 3 milhões, o objetivo é atingir a população de todo o Brasil que promete estar sintonizado na emissora.

No penúltimo capítulo da trama, nesta quinta-feira 18, a Rede Globo registou média de 47 pontos e picos de 50, segundo o Ibope.

Marcadores:

Bookmark and Share

Wikileaks: Em 2009, Líbia era vista como modelo de combate ao terrorismo pela diplomacia dos EUA

Wikileaks: Em 2009, Líbia era vista como modelo de combate ao terrorismo pela diplomacia dos EUA

O modo como o governo líbio lidava com a ameaça da emergência de grupos islâmicos radicais era visto como modelo pela mídia internacional e também pela embaixada norte-americana em Trípoli. Tal opinião é parte de um telegrama enviado pela missão diplomática na Líbia em 9 de dezembro de 2009 e vazado pelo site Wikileaks em 26 de junho de 2011.

No despacho, Joan Polaschik, uma das diplomatas norte-americanas na Líbia, destaca o lançamento de um documento religioso de 417 páginas por seis membros do GIAL (Grupo Islâmico Armado Líbio). Nele, eles renunciavam ao uso da violência, passando a ditar uma nova interpretação da jihad em terras líbias.

Para os líderes envolvidos na confecção do texto, entre eles Abu Abd Allah al Sadiq (emir do GIAL) e Abu al Munder al Saidi (autoridade na sharia – código de conduta baseado no Alcorão), os erros na interpretação do Islã eram fruto da "ignorância sobre a lei" e denotavam ausência de "ulamas" (acadêmicos religiosos, responsáveis por ensinar a correta interpretação da sharia).

A iniciativa pacifista foi resultado de uma negociação entre líderes do GIAL e Saif al Islam Kadafi, filho do ditador Muamar Kadafi, com apoio do serviço secreto líbio. Em troca da renúncia à violência, foi acordada a libertação de 200 integrantes do grupo.

No conteúdo do documento religioso, escrito em setembro de 2009, os líderes do GIAL condenam a morte de mulheres, crianças, idosos, monges, mercadores e outros em suas ações. De acordo com a nova diretriz, "seria um atalho e um erro" reduzir a jihad a uma luta com a espada. A recomendação é endereçada "às organizações que, algum dia, tiveram alguma ligação conosco". É um recado direto à Al Qaeda.

De acordo com o despacho norte-americano, as negociações entre Saif al Islam e o emir al Sadiq duraram cerca de dois anos. A ideia era lançar o documento religioso em 23 de agosto de 2009, início do Ramadã (período sagrado do Islã) e aniversário de 40 anos da subida do regime Kadafi ao poder. Logo após o anúncio do acordo, foram libertados 91 militantes. Outros 43 membros teriam sido soltos no mês seguinte, em outubro. Esses 134 libertados seriam metade dos integrantes do GIAL presos na prisão de Abu Salim.

Porém, segundo a diplomata norte-americana, a iniciativa do governo líbio em relação ao GIAL foi vista com reservas dentro e fora do país. Poucos acreditavam no sucesso do plano. Para Joan Polaschik, em curto prazo, o acordo fortalecia o regime de Kadafi como um todo e a influência de Saif al Islam em especial. Acima de tudo, deveria ser endossada como uma maneira nova de lidar com o terrorismo islâmico.

Em outro telegrama, enviado por John Stevens em 7 de novembro de 2007, há mostras do temor de Kadafi sobre a insurgência de movimentos extremistas e terroristas na Líbia, com prejuízo para as atividades econômicas no país. Em 3 de novembro de 2007, Ayman al Zawahiri, então número dois na hierarquia da Al Qaeda, anunciou a junção de forças entre a Al Qaeda e o GIAL para confrontar o governo Kadafi.

Na época, o governo relutou em comentar o anúncio de Al Zawahiri e temia a repercussão dessa união dos dois grupos entre a população líbia. Ela poderia causar muita violência e transformar a oposição política do GIAL em trampolim para ações de grupos terroristas no país.

Um membro de uma tribo influente em Bengazi disse que as reações ao anúncio da junção entre Al Qaeda e GIAL na Líbia "variaria de acordo com a sua posição socioeconômica". Para esse líder tribal, a mensagem de Al Zawahiri iria encontrar apoio entre aqueles não beneficiados pela liberalização e o desenvolvimento econômico. Para essas elites, seria fundamental proteger seus "feudos econômicos" em caso de uma arrancada dos grupos extremistas para derrubar Kadafi do poder.

Muitos viam essa alternativa com bons olhos: principalmente os muçulmanos mais radicais, desejosos do estabelecimento de um "califado muçulmano" na Líbia e também por esperar que "qualquer outro regime fosse menos opressivo que a ditadura de Kadafi". As classes médias temiam um retrocesso econômico e uma piora no acesso a bens de consumo, além de sanções ocidentais em caso da subida de um governo apoiado pelo GIAL e a Al Qaeda.

Stevens encerra o telegrama dizendo que a situação política na Líbia parece "um filme em slow motion". E pergunta: até que ponto o entusiasmo por um radicalismo islâmico tem a ver com uma afinidade religiosa genuína? E onde começa a insatisfação com o regime de Kadafi?

Bookmark and Share

quinta-feira, agosto 25, 2011

“1984” – O Grand Prix de Steve Jobs

“1984” – O Grand Prix de Steve Jobs

Comercial da Chiat Day para Apple segue sendo cultuado mesmo 27 anos após sua exibição única na televisão

Felipe Turlão| Meio & Mensagem

+

"1984" enfrentou forte rejeição interna antes de ir ao ar Crédito: Reprodução

O comercial vencedor do Festival de Cannes em 1984 foi eleito por unanimidade e aplaudido de pé pelos jurados. No ano anterior, causou furor na plateia quando apresentado pela primeira vez por um jovem Steve Jobs. E ele foi também o assunto mais comentado após o Super Bowl de 1983 – mais até do que o jogo disputado entre o Los Angeles Raiders e o Washington Redskins.

Nestes três momentos-chave, “1984”, uma criação da dupla Lee Clow e Steve Hayden, da então Chiat Day – hoje parte da rede TBWA – mostrou que quem estava certo mais uma vez era Steve Jobs. O fundador da Apple enfrentou a diretoria da empresa para levar adiante a arriscada ideia de usar a ficção científica inspirada no livro 1984 de George Orwell e uma linguagem revolucionária sem sequer mostrar o produto para apresentar o não menos revolucionário MacIntosh. O computador que chegaria às casas das pessoas e não ficaria mais restrito às empresas, em um mercado então dominado pela IBM.

Há dois anos, Lee Clow falou à Revista da Criação sobre “1984”. Entre outras curiosidades, ele revelou que a exibição única no Super Bowl não era a ideia inicial, mas a única barreira que a Jobs e a agência conseguiram quebrar diante de uma diretoria que simplesmente odiou o filme.

“Estávamos vivendo um momento muito especial, não porque estivéssemos fazendo um bom comercial, mas porque estávamos lançando um produto que iria transformar o mundo. Nós usamos um diretor conhecido (Ridley Scott) de uma forma bastante inovadora. Usarmos o Super Bowl, que é um palco bastante especial. Todas essas coisas combinadas terminaram por resultar em um comercial bastante especial”, afirmou Clow. “Mas é exatamente assim que nascem as grandes obras. Fruto de uma conjunção de fatores”, completa.

Justamente por isso, a aquisição deste espaço de um minuto talvez tenha sido a decisão mais feliz da história da publicidade mundial. E mais uma mostra de que Steve Jobs tinha uma visão muito especial sobre determinadas coisas. Levar “1984” ao ar foi uma atitude justificada por uma de suas citações favoritas: “As pessoas não sabem o que querem, até mostrarmos a ela”.

Confira o comercial (com legendas em português) e, logo mais abaixo, um vídeo histórico selecionado pelo Advertising Age em que Steve Jobs apresenta a peça pela primeira vez:



Marcadores:

Bookmark and Share

quarta-feira, agosto 24, 2011

Mega-Sena sorteia prêmio de 33 milhões de reais

Mega-Sena sorteia prêmio de 33 milhões de reais

Sorteio do concurso de número 1.313 será nesta quarta-feira

Mega-Sena: dinheiro no bolso

Mega-Sena: dinheiro no bolso (Marcos Issa/ Bloomberg News)

A Mega-Sena pode pagar 33 milhões de reais para o acertador das seis dezenas do concurso de número 1.313, a ser sorteado nesta quarta-feira. Segundo a Caixa Economia Federal, nenhum bilhete acertou as seis dezenas sorteadas no último sábado.

Os números sorteados na cidade de Luziânia, Goiás, foram: 05, 20, 22, 28, 29 e 30.

Na ocasião, 201 apostadores acertaram a Quina e levaram, cada um, 13.386,76 reais, enquanto 10.377 pessoas acertaram quatro dezenas e ganharam 370,42 reais, cada.

(Com Agência Estado)

Marcadores:

Bookmark and Share

F/Nazca S&S convida chefs de cozinha para celebrar Dia do Miojo

F/Nazca S&S convida chefs de cozinha para celebrar Dia do Miojo

Ação, elaborada para a Nissin Miojo, comemora 53 anos do macarrão instantâneo


A F/Nazca S&S criou uma ação para a Nissin Miojo a fim de comemorar os 53 anos da criação do macarrão instantâneo, completados na próxima quinta-feira (25). A partir da estratégia, intitulada “Dia do Miojo”, três importantes chefs de cozinha de São Paulo – Carla Pernambuco, do Carlota; Morena Leite, do Capim Santo; e Tatiana Szeles, do Boa Bistrô – servirão em seus restaurantes receitas gourmet exclusivas, utilizando o macarrão como ingrediente.


Ficha técnica:

Direção de criação: Fabio Fernandes e Eduardo Lima
Criação: Mariana Borga e Fabio Brigido
Head of Art: João Linneu
Atendimento: Gisela Assumpção e Natalie Gruc
Mídia: Lica Bueno, Sergio Brotto e Kelly Prado
Planejamento: José Porto, André Foresti e Gabriela Sanchez
Aprovação pelo cliente: Toru Okazaki, Alessandra Elias e Patricia Rusilo

Fonte: http://www.propmark.com.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?UserActiveTemplate=propmark&infoid=66440&sid=2

Marcadores:

Bookmark and Share
Copyright © 2002 / 2014 HorusStrategy.com.br. Horus Strategy é marca registrada. Todos os direitos reservados.