Últimas 100 Atualizações do Website via Twitter:

Pesquise todo o conteúdo do website Horus Strategy abaixo:
Loading

quinta-feira, janeiro 29, 2009

Não estou entendendo nada !

Bookmark and Share

terça-feira, janeiro 27, 2009

Universo Paralelo



Bookmark and Share

Thank God you are man !

(Embedded image moved to file: pic19462.jpg)

Bookmark and Share

sexta-feira, janeiro 23, 2009

A história de Naji Nahas

Naji Nahas perde ação indenizatória e deve pagar R$ 2 milhões em honorários


A juíza Márcia Cunha, da 2ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, rejeitou o pedido

do empresário Naji Robert Nahas, que buscava indenização no valor de R$ 10 bilhões

por danos materiais e morais pela dilapidação de seu patrimônio mobiliário pelas

Bolsas de Valores do Rio e de São Paulo, e ofensa às honras objetivas e subjetivas

dele e das empresas também envolvidas.



Segundo o TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro), o empresário, conhecido

por seu envolvimento com Daniel Dantas em um dos maiores escândalos financeiros na

história do país, também foi condenado a pagar R$ 1 milhão de honorários

advocatícios para cada um dos grupos de advogados que atuaram no processo em

defesa dos réus.



A ação lista como autores as empresas Selecta Participações e Serviços e Cobrascol

(Companhia Brasileira de Óleos e Derivados), e o próprio Nahas, que alega ter

sofrido graves prejuízos com a ruína das Bolsas em 1989.Além da dilapidação do

patrimônio mobiliário dele e das empresas, sem seu devido consentimento e ciência,

ele também diz ter sido injustiçado e estigmatizado.



A juíza, no entanto, entendeu que Nahas não foi vítima dos fatos ocorridos no

mercado financeiro em junho de 1989, e que "se sofreu prejuízos daí resultantes,

estes são de sua inteira e única responsabilidade".



Afirmou ainda que o autor não juntou ao processo qualquer elemento mínimo de prova

quanto à propriedade das ações que diz terem sido confiscadas, o que torna a

petição inicial inepta seja pelo pedido vago e incerto, seja pela ausência

absoluta de documentos indispensáveis à propositura da ação. Para ela, "o pedido

de reparação de 10 bilhões de reais não tem qualquer respaldo e é incompatível com

a suposta carteira de ações dos autores que, segundo eles, valeria NCz$

300.000.000,00".



Dentre as partes favorecidas pela decisão da juíza, estão os advogados Hugo Ibeas,

que representou a Bolsa carioca, e Sérgio Bermudes, que atuou na defesa da

Bovespa. Eles devem receber um total de R$ 2 milhões do empresário em honorários

advocatícios.



Quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Bookmark and Share

A história de Naji Nahas

A história de Naji Nahas

Por Filipe Deschamps

em 23 de Janeiro, 2009 às 8:18

Naji Robert Nahas é um empresário e investidor financeiro brasileiro nascido no

Líbano. Chegou ao Brasil no começo da década de 1970 com cinqüenta milhões de

dólares para investir e montou um conglomerado de empresas que incluía fábricas,

fazendas de produção de coelhos, banco, seguradora e outros. Tornou-se

nacionalmente conhecido depois de ter sido acusado como responsável pela quebra da

bolsa de valores do Rio de Janeiro em 1989.





De acordo com reportagem da revista Veja, Nahas tomava emprestado de bancos e

aplicava na bolsa, fazendo negócios consigo mesmo por meio de laranjas e

corretores, inflando as cotações. Ante grandes valorizações de ações, os bancos

pararam de lhe emprestar, causando quebra em cascata na bolsa do Rio, que nunca se

recuperou totalmente. Após todos os processos referentes a este caso terem sido

julgados, foi absolvido de todas as acusações.





A acusação que pesou contra Nahas arguia que a quebra da bolsa se deu devido a

utilização de empréstimo de ações, pagas com empréstimos em bancos (entretanto

negociava as ações (a pagar em D+N) e vendidas antes de pagá-las a um preço mais

interessante. Este era um mecanismo corrente na época, utilizado por inúmeros

grandes investidores. A quebra teria se dado devido ao corte nos financiamentos

costumeiramente concedidos ao investidor, orquestrado pelo então presidente do

Conselho Administrativo da Bovespa, Eduardo Rocha Azevedo, o "coxa", para quebrar

a Bolsa do Rio de Janeiro por meio da quebra do maior investidor pessoa física do

País.





Segundo Nahas, a crise das bolsas de 1989 ocorreu por uma mudança nas regras de

negociações de ações, mudança feita de maneira arbitrária e imediata pelo

presidente da Bolsa, sob influência de investidores importantes que disputavam com

Nahas posições de investimentos. Esta opinião foi compartilhada na época por

vários economistas de peso como Delfim Netto, Mário Henrique Simonsen e outros que

testemunharam a favor de Naji Nahas. Após poucas semanas, a bolsa voltou aos

níveis anteriores à quebra, provando, segundo estes economistas, que tudo não

passou de uma grande manipulação do mercado. Segundo a revista ISTOÉ Dinheiro,

Nahas foi inocentado deste processo em 2004.



Fonte: Wikipedia

Bookmark and Share

Blogueiro que adivinha o futuro é preso

Que Loucura !

http://info.abril.com.br/aberto/infonews/012009/22012009-34.shl

SEUL - Promotores sul-coreanos detiveram um blogueiro que previu a
ruína financeira do país.

De acordo com os advogados, ele prejudicou os esforços do governo para
lidar com a crise global.

Usando o pseudônimo de Minerva, o blogueiro ficou conhecido pelos seus
prognósticos para a bolsa de valores do país e para o banco de
investimentos dos EUA Lehman Brothers.

Segundo os promotores, Minerva causou problemas à economia local ao
publicar informações incorretas.

O blogueiro foi identificado como Park Dae-sung, um desempregado de 30
anos de idade que pode ficar até cinco anos preso se for considerado
culpado por desrespeitar regras de comunicação.

Bookmark and Share
Copyright © 2002 / 2014 HorusStrategy.com.br. Horus Strategy é marca registrada. Todos os direitos reservados.