Últimas 100 Atualizações do Website via Twitter:

Pesquise todo o conteúdo do website Horus Strategy abaixo:
Loading

quarta-feira, fevereiro 27, 2008

Salário mínimo aumenta para R$ 412,40 a partir deste sábado

Por: Karin Sato
27/02/08 - 11h01
InfoMoney


SÃO PAULO - Um novo valor para o salário mínimo entra em vigor este sábado (01). Agora, ele será de R$ 412,40. A cifra foi negociada entre governo e centrais sindicais.

A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do Ministério do Planejamento à InfoMoney.

Reajuste faz parte do PAC
O reajuste já estava previsto em um projeto de lei encaminhado no âmbito do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) no ano passado, que, atualmente, tramita no Senado.

Diz a proposta que o reajuste deve ter como base a variação acumulada de 12 meses do INPC (Índice Nacional de Preço ao Consumidor) acrescida do crescimento real do PIB (Produto Interno Bruto) dos dois anos anteriores.

Além disso, de acordo com o projeto, que engloba os anos compreendidos entre 2007 e 2011, a data dos próximos reajustes será: 1 de fevereiro de 2009 e 1 de janeiro de 2010. Como se pode ver, a idéia é antecipar um mês a cada ano.

Bookmark and Share

Longo Prazo e Trader: São como água e óleo?

Por: Cris Lazotti
Fonte: www.happynesslife.zip.net

Em todas as palestras e cursos que fiz sobre o mercado financeiro sinto que existe uma competição. De um lado os conservadores, os analistas da escola fundamentalista, os adeptos das carteiras de longo prazo e de outro estão os arrojados, os grafistas e os traders.

O trader é o operador que faz negociações de compra e venda em curto ou curtíssimo prazo visando acertar a tendência. (algo praticamente impossível!)

A competição se estabelece na questão do “quem obtém maiores lucros”? Então, os conservadores dizem que o trader, no longo prazo, toma mais prejuízo do que lucro e o trader diz que pode obter mais lucro do que o conservador no curto prazo.

Como nada na vida são 100% (graças a Deus!), podemos observar que um acaba usando as técnicas do outro e vice-versa, independente de sua postura financeira em relação à sua carteira de ações.

Apenas em uma regra básica eu concordo: que sua carteira precisa ser composta, na maior parte, por blue ships (empresas líderes, cujas ações correspondem aos maiores volumes negociados na Bovespa). É uma certa segurança num mercado extremamente volátil.

Um exemplo prático deste confronto é a recomendação de remunerar sua carteira, operando opções. Oras! Se as opções são operações de curtíssimo prazo, logo não seria da alçada do trader? E para que o trader faça todas as operações arriscadas no mercado, ele precisa de um lastro financeiro. E o que é este lastro senão ações em carteira, títulos públicos ou depósitos à vista?

O que muita gente imagina é que o trader só faz especulação e por isto a probabilidade de levar chumbo é grande. “Quanto maior o tamanho maior o tombo.”, o que traduzindo para o mercado financeiro significa quanto maior o lucro, maior o risco.

Saiba dosar os dois lados à seu favor e respeite seus limites. Lembre-se que a diferença entre o remédio e o veneno é a dose!

Portanto, aprenda a controlar o risco e tire ótimos proveitos de oportunidades para sua carteira de ações. Converta os ganhos auferidos em compra de novas ações e não para fazer dinheiro fácil. Este é o segredo para remunerar sua carteira.

Afinal, não há dinheiro fácil sem conhecimento e experiência. Qualquer coisa diferente disso é apenas sorte!

Bookmark and Share

quinta-feira, fevereiro 21, 2008

Como escolher um bom cartão de crédito?

Por: Cris Lazotti
Fonte: www.happynesslife.zip.net

Todos nós sabemos que um dos maiores juros cobrados no mercado são os dos cartões de crédito, mas se você souber usá-lo com responsabilidade poderá ter grandes vantagens.

Além da comodidade de centralizar suas despesas e saber exatamente no que você está gastando o seu rico dinheirinho, o cartão de crédito pode lhe oferecer até 40 dias para o pagamento de suas compras.

Muitos cartões oferecem ainda diversos seguros como seguro de viagem, seguro de automóvel alugado, assistência em viagens, seguro-bagagem etc. Entretanto, leia aquelas letrinhas minúsculas no seu contrato. Geralmente os seguros ou assistência são cobertos apenas se o respectivo cartão de crédito foi utilizado para pagar a passagem, o hotel ou o carro alugado. E no caso do seguro-bagagem? Se você não declarou o que havia de valor às autoridades alfandegárias, pode ter uma surpresa.

Então, que vantagem Maria leva? Ao escolher um cartão de crédito, avalie suas necessidades. Se você usa pouco ou tem uma renda relativamente baixa, busque os cartões nacionais com isenção de anuidade. De que adianta ter um cartão internacional se você nunca foi e nem pretende fazer compras no exterior?

Ah! Viagens são com você? Então, adquira um cartão com programa de recompensas em que você possa converter sua pontuação em passagens aéreas, diárias em hotéis, locação de veículos, assinaturas de revistas, produtos de catálogos etc. Este tipo de cartão tem cobrança de anuidade, mas a relação custo-benefício pode ser bem interessante se você viaja em suas férias todo ano, por exemplo.

O cartão de crédito deve ser usado em seu benefício e não do banco.

Portanto, evite parcelar suas compras no cartão de crédito, mesmo que seja sem juros. Sabe como é. No próximo mês você nem lembrará mais desta despesa e fará outra. Esta é uma das causas de extrapolar o limite. (e ultrapassar o limite implica em nova taxa).

Já as propagandas com pessoas felizes incentivando o parcelamento da fatura com juros baixos só aparentam ser bons negócios na mídia mesmo. (Ah! Mas o Selton Melo naquela propaganda...) Conselho de consultora financeira: caia fora! Saques em cartão de crédito então, nem pensar!

A regrinha básica não muda, continua a mesma: Cartão de crédito deve ser pago integralmente no dia do vencimento.

P.S. Quem não quer uma viagem de graça?

Bookmark and Share

quarta-feira, fevereiro 20, 2008

Como os investidores da Bovespa e de Clube de Investimentos devem declarar o IRPF 2008?

O prazo para a declaração do Imposto de Renda Pessoa Física 2008 inicia em 3 de março e termina em 30 de abril.

Quem é obrigado a declarar? Se até 31 de dezembro de 2007, você recebeu rendimentos tributáveis superiores a R$ 15.764,28 ou rendimentos isentos/não-tributáveis (FGTS) ou rendimentos cujos impostos já foram retidos na fonte superiores a R$ 40 mil ou se tem posses ou propriedades com valor superior a R$ 80 mil, sinto informar que você é obrigado a declarar, segundo a Receita Federal.

E não pára por aí. Se em 2007, você obteve receita bruta com atividade rural acima de R$ 78.821,40 ou fez operações em bolsa (xiii, só faltava essa!) ou foi sócio de alguma empresa ou ainda se vendeu bens em que foi apurado ganho de capital com incidência em imposto, também é obrigado a declarar.

Se você se enquadra em um ou mais destes casos, você pode optar pela declaração simples (em alguns casos) ou a declaração completa. Na declaração simples você terá um desconto de 20% na renda bruta, limitado a R$ 11.669,72 e você não poderá fazer deduções. Portanto, analise qual será melhor para você.

Já na declaração completa, você pode deduzir R$ 1.584,60 por dependente, R$ 2.480,66 por pessoa (você e seus dependentes) nos gastos com educação, até 12% da previdência privada e os gastos integrais com saúde. Também são dedutíveis as contribuições ao INSS que foram descontadas do seu salário ou as que você pagou para sua empregada doméstica. Desta última, o valor está limitado a R$ 593,60 no ano de 2007.

Voltando ao assunto operações em bolsa, para declarar suas cotas do clube de investimento, você deve lançar no quadro de “Declaração de Bens e Direitos”, na coluna “discriminação” coloque o nome do clube e o CNPJ, a quantidade de cotas que possui, a data de aquisição e o valor unitário das cotas. Se você as adquiriu em 2007, deixe o valor de 2006 em branco.

Se você fez resgate total ou parcial da cotas em 2007, já contemple este abatimento (com base no preço de aquisição) no campo 2007. Se você obteve lucro, terá de informar no quadro “Rendimentos sujeitos à tributação exclusiva” os ganhos obtidos, ou seja, o lucro líquido (diferença entre o valor adquirido e o valor resgatado, já descontado o imposto retido na fonte feito pelo administrador). Em caso de prejuízo, a diferença entre o valor de 2006 e 2007 já demonstrará o prejuízo nas cotas, mas não do resgate.

Para tanto, o auditor editorial da IOB, David Soares declara: “Vale lembrar que os prejuízos auferidos nos resgates podem ser compensados pelos ganhos dos resgates posteriores, desde que em fundos administrados pela mesma pessoa jurídica".

A mesma regra funciona para o caso de carteira direta de ações no mercado à vista.

Entre em contato com seu administrador ou corretora, caso não receba o informe de rendimentos até o dia 29 de fevereiro de 2008. Este documento possui todas as informações necessárias para a declaração.
Lembre-se de entregar sua declaração no prazo, pois a multa pelo atraso será entre R$ 165,74 e, no máximo, 20% do débito.

Dúvidas também podem ser esclarecidas pelo telefone da Receita Federal, 0300-7890300 (ligação cobrada por minuto).

Bookmark and Share

terça-feira, fevereiro 19, 2008

A reincidência dos erros financeiros

Por: Cris Lazotti
Fonte: www.happynesslife.zip.net

A autora e colunista Eliana Bussinger escreveu um livro muito interessante fazendo um paralelo entre o corpo e o bolso. Chama-se “Vigilantes do Bolso”, livro coordenado pelo conceituado administrador Gustavo Cerbasi.

Acredito que todos nós já tenhamos cometido algum erro financeiro, porém reincidências de dívidas ruins não devem ocorrer. Para tanto, devemos ficar atentos aos erros mais comuns. Alguns dos erros citados pela autora são:

Má administração financeira: gastar além dos recebimentos, não controlar seus gastos e não prestar atenção às pequenas despesas.
Inexistência de uma conta de reserva: é o famoso “pé-de-meia”. Ela cita que o ideal é ter uma reserva financeira de 3 a 6 salários para situações imprevistas e de emergência. Portanto, comece já!

Divórcio: As despesas aumentam muito nestes casos. Há pagamento de pensões, redução da renda familiar e se tiver filhos, a situação piora. Erro comum dos maridos com segunda ou terceira esposa e ter mais filhos, isto é mais do que uma reincidência!

Doença: uma doença inesperada pode afastá-lo do trabalho, sem contar o custo dos remédios. Portanto, ter um seguro saúde e um plano que atenda suas necessidades neste momento, será de grande utilidade.

Desemprego: este é um dos fatores mais comuns para o endividamento. Seguido pelo divórcio e a doença. Portanto, mantenha-se atualizado profissionalmente e sempre fique de olho no mercado de trabalho.

Teimosia em manter um estilo de vida perdido: este é um erro estúpido. Manter um padrão de vida que seu salário ou uma situação inesperada não comporta mais é endividamento na certa. Se você não pode mais bancar os restaurantes da moda, mude para restaurantes mais baratos ou até aprenda a “cozinha de minuto” e jante em casa.

Compulsão por compras: é o famoso “gastar o dinheiro do próximo mês, hoje!”. Afaste-se das promoções de “seis vezes sem juros”, “só hoje” e da palavra “liquidação”. Mesmo que parcela caiba no seu cartão de crédito, pode ser que o seu cartão de crédito não caiba no seu orçamento. Portanto, controle-se!

Herança: não é sobre herança de bens ou de dívidas dos pais, mas sim da herança de hábitos de consumo de nossos pais. Se eles eram esbanjadores, se nunca se preocuparam com dinheiro, se sempre estavam no vermelho no final do mês. Se eles eram assim, a tendência é que você tenha o mesmo comportamento. Determinação e disciplina podem ajudá-lo a reverter esta situação.

Como os erros financeiros podem aparecer de tempos em tempos, mantenha-os frescos na memória com leitura e reflexão periódicas. Lembre-se que para alcançar qualquer coisa, é necessário um ingrediente básico: atitude!

Bookmark and Share

segunda-feira, fevereiro 18, 2008

Ô, Pai. Dá um dinheiro aí?

De: Cris Lazotti
Fonte: www.happynesslife.zip.net

Quem não conhece pais acima de 50 ou 60 anos que sustentam seus filhos de 30 ou 40 anos? E como se não bastasse, ainda sustentam os netos?

Os pais passaram a vida inteira trabalhando e conseguiram acumular um bom patrimônio para mantê-los em boa situação na aposentadoria. Isto na teoria, por que na prática há sempre aquele filho que, segundo a mãe sempre protetora, “não teve muita sorte na vida!” e que precisa do apoio emocional e principalmente financeiro dos pais, mesmo com quase 40 anos nas costas.

A maior revolta se dá com o outro filho que aprendeu a dar valor ao dinheiro e trabalha desde cedo. Conseguiu seu apartamento, seu carro e está na batalha para conseguir a mesma tranqüilidade financeira dos pais. Por que um fica na mamata enquanto o outro precisa trabalhar?

Ao contrário do que se pensa, os pais não são obrigados a sustentar os filhos saudáveis depois que estes atingem a idade maioral. E fazê-lo só irá trazer problemas para os próprios pais e para o filho.

O problema é agravado quando existe o neto. Afinal de contas, nenhuma avó ou avô que se preze deixará de ajudar pagando a mensalidade escolar da criança e contribuindo com outros mimos, que na verdade são de inteira responsabilidade dos pais.

E agora, cortar a mesada do “vida-boa” pode implicar em não ver o netinho querido, porque a criança inocente poderá ser usada como um trunfo financeiro.

Se os pais não mudarem drasticamente de atitude, a situação tende a piorar. O neto vai crescer e os mimos serão mais caros. A criança que nunca recebeu educação financeira seguirá o mesmo exemplo, afinal, como uma sábia amiga diz: “criança vê, criança faz.”.

Portanto, não basta educar-se financeiramente. É preciso educar financeiramente seus filhos desde a tenra idade.

A felicidade em ter seus filhos adultos em casa existe para matar a saudade e dar boas risadas no almoço de domingo.

Bookmark and Share

quinta-feira, fevereiro 14, 2008

SG, os Cartões de Crédito do Governo Lula e as Finanças Comportamentais

Os problemas de controle interno no Societe Generale foram analisados sob diversas formas. Uma forma interessante de ver o que ocorreu neste banco é através das finanças comportamentais. Um estudo realizado nos Estados Unidos com estudantes que deveriam resolver uma lista de questões de matemática, mostrou algo interessante sobre a questão ética da desonestidade e a presença do dinheiro (moeda). Para o grupo de controle (1/3 dos alunos) a média de resolução das questões foi de 3,5 questões (o tempo era muito curto para resolver todas as questões). No segundo grupo, onde os pesquisadores permitiram que os alunos fossem desonestos e receberiam em dinheiro por sua desonestidade, a média de respostas corretas foi de 6,2 questões. Esta diferença mostra que estes alunos desonestos eram capazes de fazer trapaças para ganhar mais. Ao terceiro grupo, os pesquisadores permitiram também a trapaça, mas o "prêmio" não era em dinheiro, mas um substituto. Neste grupo os alunos responderam 9,4 questões.

Ou seja, com dinheiro, o aumento na desonestidade foi significativo. Mas com um ganho através de itens não monetários o aumento foi ainda maior.

Isto poderia ajudar a explicar o comportamento de pessoas que geralmente não acham desonesto tomar uma caneta emprestada e esquecer de devolver, mas consideram reprováveis atitudes como pegar dinheiro emprestado e não devolver.

O funcionário do Societe Generale talvez se enquadre nesta situação. O ministro de Estado que paga suas contas com o cartão corporativo do governo talvez não ache isto reprovável.

Mas destaco um trecho relevante sobre as conclusões da pesquisa:

"quando lidamos com uma moeda mais abstrata nossa moralidade é menos capaz de proteger-nos contra a desonestidade (...)"

Bookmark and Share

quarta-feira, fevereiro 13, 2008

O que você ganha com o lucro líquido do Banco Itaú?

Por: Cris Lazotti
Fonte: www.happynesslife.zip.net

Ontem foi divulgado o aumento recorde de 96,66% no lucro líquido do Banco Itaú, ou seja, o lucro praticamente dobrou de 2006 para 2007, atingindo a marca de R$ 8,474 bilhões.

E o que você ganha com isso? Bem, se você é apenas um correntista do Itaú, sinto informar que você é um dos responsáveis por este resultado e não tirará proveito financeiro algum.

Agora, se você é um investidor que já tinha ações do próprio Itaú ou da Itaúsa (holding do itaú) a situação muda totalmente.

Após a divulgação bem recebida pelo mercado financeiro dos altos lucros do banco, as ações preferenciais do Itaú (ITAU4) subiram 6,13%, cotadas a R$ 39,61 por ação. Já as ações preferenciais da Itausa (ITSA4) subiram 4,46%, segundo a InfoMoney.

Além da valorização das ações, o investidor receberá dividendos que podem ser embolsados, convertidos em novas ações ou outras aplicações financeiras. O investidor decide.

Alguns analistas recomendam a compra dos papéis do Itaú mesmo após a alta, prevendo que o preço-alvo da ação para 2008 atinja os R$ 50,00, isto é, uma valorização superior a 25%.

O curioso do lucro exorbitante do Itaú é que este resultado não se deve apenas às tarifas cobradas, juros por operações financeiras, taxas de administração, participações no lucro de outras empresas etc.

Dos R$ 8,474 bilhões de lucro, 19,353% deste valor corresponde aos lucros obtidos nas IPO’s (Oferta Pública Inicial) da Bovespa Holding, com ganho de R$ 164 milhões e da BM&F, com ganho de R$ 150 milhões e pela venda de 8,73% do capital total da Redecard, com ganhos de R$ 1 bilhão.

Agora façamos um paralelo ao que foi disponibilizado para os simples mortais, pessoas físicas nestas mesmas IPO’s. A da Bovespa liberou apenas R$ 12.098,00 por pessoa física e a BM&F liberou a miséria de R$ 1.820,00, tamanha foi a procura.

Você percebeu a disparidade entre o grande e o pequeno investidor neste país?

Bookmark and Share

terça-feira, fevereiro 12, 2008

Investindo em Ações

Por: Cris Lazotti
Fonte:
www.happynesslife.zip.net

Conversando com um amigo que sem conhecimento, acabou investindo em fundo de ações pelo seu banco (cujo investimento é cobrado taxa de administração que raramente é informada ao cliente), surgiu a idéia de explicar como investir em ações pelo home broker ou clube de investimentos.

A diferença básica é que o clube de investimentos possui um gestor que é responsável por montar e administrar a carteira de seus clientes, tomando as decisões de onde e quanto investir e apresentando relatórios periódicos de desempenho.

Já o home broker é um sistema virtual entre os investidores e as sociedades corretoras que permite o envio de ordens de compra e venda de ações e outros ativos pela internet, sendo que estas decisões são de total responsabilidade do investidor, portanto, o conhecimento financeiro é extremamente necessário.

Se você quer investir em ações, mas não tem tempo e nem conhecimento para operar sozinho, recomenda-se a aplicação no clube até para você saber como funciona o mercado e tirar dúvidas com seu gestor financeiro.

Após adquirir conhecimento, você pode aventurar-se pelo home broker e enviar ordens de compra e venda de ações diretamente. Embora as ações sejam caracterizadas como um investimento de risco há ações “mais conservadoras” que são as chamadas blue chips, ou seja, ações de primeira linha.

Entretanto, antes de enviar qualquer ordem é necessário que você avalie os preços de compra e venda praticados no mercado para não comprar uma ação por um preço no topo (alto demais) e tampouco vender uma ação no preço de fundo (baixo demais). Em ambos os casos você perderá dinheiro.

Os custos de corretagem são cobrados por ordem executada, seja ela de compra ou de venda. A ordem executada significa que sua ordem de compra ou venda foi realizada no mercado.

Portanto, vale conversar com os analistas de sua corretora ou com o gestor de seu clube de investimentos antes de decidir o que comprar/vender, quando e por quanto. São as três questões que definirão o sucesso de sua estratégia em toda e qualquer operação.

Boa sorte!

Bookmark and Share

domingo, fevereiro 10, 2008

Clube de investimento: maneira prática de participar do mercado de capitais

Por: Equipe InfoMoney
08/02/08 - 17h42
InfoMoney


SÃO PAULO - Muitas pessoas afirmam não investir ou por achar que não tem recurso suficiente, ou por não ter tempo para se informar sobre quais as melhores formas de aplicar o dinheiro. Para elas, uma das maneiras mais simples de fazer parte do mercado de capitais é o clube de investimento.

Acesse o link nele é possível visualizar um vídeo explicando como funcionam os Clubes de Investimentos.

Bookmark and Share

Serasa lança ferramenta para reduzir risco de crédito; juro ao consumidor pode cair

Por: Flávia Furlan Nunes
08/02/08 - 18h38
InfoMoney

SÃO PAULO - A Serasa desenvolveu um produto, chamado Portfólio MultiAnálise, que permite às empresas analisar os riscos de uma carteira de clientes no momento de concessão e gestão de crédito. De acordo com a gerente do produto, Fabiana Marcondes, a ferramenta acaba sendo bastante positiva aos tomadores de crédito, já que permite a redução das taxas de juros.

Quem adquire a ferramenta consegue, pela análise, saber a perda máxima da carteira. O VAR (Valor em Risco) faz uma interpretação geral de clientes pessoas físicas ou jurídicas. É importante ressaltar, porém, que a empresa deve fornecer os dados de seus clientes, enquanto a Serasa possui apenas informações sobre inadimplência dos consumidores.

Justificativa
Ainda de acordo com Fabiana, o Portfólio MultiAnálise é importante porque as empresas que concedem créditos só conseguem fazer interpretações dos clientes mais antigos, dos quais possuem dados e histórico de relacionamento. "Daqueles mais novos, não têm informações suficientes".

A gerente ainda disse que o portfólio é bastante positivo para o consumidor que é bom pagador. "Se não sabem quem são os clientes, as empresas aumentam a taxa de juros, para se ressarcirem, no caso de perdas não previstas. Com análise mais refinada, a empresa pode diminuir a taxa de juros e aumentar o volume emprestado".

Juros
Ainda sobre os juros, a ferramenta mostra qual a melhor taxa que deve ser cobrada dos clientes em cada operação realizada. A última fase do processo é a da precificação, que informa quanto vale no momento presente a carteira de clientes.

Bookmark and Share

Sua televisão está pronta para a TV digital?

Por: Tabata Pitol Peres
27/11/07 - 11h25
InfoMoney

SÃO PAULO - Quando a televisão chegou ao Brasil, em 1950, poucas pessoas puderam ver as primeiras transmissões, já que havia um número muito pequeno de televisores disponíveis no País. O mesmo deve acontecer com a chegada da TV Digital. Isso porque, poucas pessoas terão os equipamentos necessários para assistir às vantagens de imagem e som que o novo sistema proporciona.

"O set top box, receptor que é fundamental para o sinal digital, chegará as lojas, com preços relativamente elevados. Por isso poucas pessoas terão comprado o aparelho até o início da transmissão", afirma o diretor editorial da Tela Viva, André Mermelstein.

Além disso, ao contrário do que muitos pensam, não basta ter uma TV de LCD ou plasma para assistir à TV Digital em sua melhor forma. Muitos desses aparelhos não possuem alta definição e, para reproduzir toda a qualidade disponível no novo sistema, será preciso um aparelho Full HD, com 1080 linhas de definição. Para quem não faz questão da qualidade máxima, o receptor poderá ser acoplado em outros modelos de televisão.

UHF
Além disso, quem quiser assistir aos canais digitais terá que adquirir uma antena UHF. Isso porque, apesar dos números usados para sintonizar os canais atuais (analógicos, em geral transmitidos em VHF) não sofrerem alterações, cada emissora terá um novo canal em UHF para a transmissão digital.

No UHF os canais terão números diferentes - em São Paulo, por exemplo, a TV Globo é canal 5 no VHF, enquanto no UHF será 18. No entanto, não será preciso decorar os novos números já que os conversores serão programados para, quando digitado o número da emissora em VHF, buscar automaticamente seu sinal no UHF. Assim, sempre que o telespectador digitar o número 5, o set top box se conectará à TV Globo no formato digital (canal 18), por meio da função canal virtual.

Televisores
Para os que pretendem comprar novos aparelhos para aproveitar a imagem digital, uma opção será adquirir televisores que já possuem o set top box incluído. A Samsung já começou a vender os aparelhos integrados, e marcas como LG e Sony, não devem demorar para disponibilizar produtos semelhantes.

O preço, no entanto, é bastante alto. O aparelho de 40 polegadas estará a venda por R$ 7.999,00, enquanto o de 52 polegadas, custará R$ 14.999,00.

Mas por enquanto, a aquisição do set top box, dos televisores Full HD e da antena UHF só será necessária para quem realmente deseja ter acesso ao novo sinal. Isso porque, o sinal transmitido atualmente (analógico) ficará no ar até 2016.

Bookmark and Share

quarta-feira, fevereiro 06, 2008

Milionários tentam usar fortuna para ganhar tempo

Renato Bernhoeft
06/02/2008
Valor Online

As últimas pesquisas com milionários de todo o mundo indicaram algo em comum, além das fortunas acumuladas: uma acentuada preocupação com o uso do tempo e seus efeitos sobre a qualidade de vida. E esta sensação de bem-estar, efetivamente, o dinheiro não compra e muito menos proporciona.

Os resultados nos permitem alguns comentários que parecem dignos para algumas reflexões, além de uma ação efetiva dos milionários brasileiros. O número de afortunados, aliás, tem crescido muito - pelo menos em quantidade - nos últimos dois anos. A primeira reflexão é a necessária reversão de um velho, e infeliz provérbio popular, que consagrou a falsa idéia de que "tempo é dinheiro".

O tempo - e esta não é uma descoberta recente - é muito mais importante do que o dinheiro e isso por um conjunto de razões relativamente simples, que não exigem grandes elucubrações. Em primeiro lugar, porque o tempo continua sendo um mistério que nos confunde. Ele tanto pode ser visto, de forma simplista como um mero recurso ou medida que administramos. Mas ele é, também, um conjunto de "sensações" decorrentes dos efeitos que percebemos como produto da forma como o usamos.

A segunda questão é que o tempo é o recurso mais democrático que dispomos. Todos nós, independentemente do sexo, cor, condição social, localização geográfica ou dinheiro acumulado, recebemos a mesma quantidade. Ao iniciarmos um novo dia, temos à nossa disposição 24 horas. O que nos torna diferentes é a forma como as utilizamos e as sensações que este uso provoca em cada um de nós. Alguns concluem seu dia com um agradável sentimento de realização. Outros transitam por toda uma vida, queixando-se de forma constante, que o tempo não lhes é favorável. Inclusive alguns até chegam a morrer por esta insatisfação permanente.

O terceiro ponto que merece destaque é que o tempo, de uma forma muito diferente que o dinheiro (ou fortuna), é inelástico e irreversível. Ou seja, o dia tem 24 horas, divididas em 60 minutos, que por sua vez estão distribuídos em 60 segundos. E nada mais, nem menos. Este tempo não pode ser ampliado ou encurtado. É com ele que contamos.

Por outro lado, e quem sabe mais importante ainda, o tempo é irreversível, não recuperável e muito menos passível de ser "estocado". Ou seja, aquele aniversário do filho em que você esteve ausente, não retorna mais. Embora você possa lhe oferecer carinho num telefonema e muitos presentes para tentar agradá-lo, este momento não retorna. Ele foi perdido.

Portanto, o tempo precisa ser usado no momento certo e, na medida do possível, procurando desfrutar das sensações que ele pode lhe proporcionar naquela circunstância. Já com o dinheiro, é possível recuperar algo que foi perdido, bem como guardá-lo, ou aplicá-lo, para que possa "render" e ser utilizado em momento mais adequado ou conveniente.

A pesquisa feita pela gestora de fortunas do Barclays Wealth levou em consideração pessoas que possuem fortunas líquidas acima de US$ 3 milhões. E entre suas conclusões, está que "as evidências sugerem que o tempo é uma commodity cada vez mais importante, na medida em que as pessoas escalam a pirâmide da riqueza. A demanda entre os ricos por serviços que possibilitem a economia de tempo está crescendo rapidamente", conclui o relatório.

Dois terços dos pesquisados declarou que "o dinheiro lhes proporcionou mais tempo, mas também um aumento da sensação de estresse". Segundo elas, "o tempo é um luxo definitivo e se sentem felizes diante da possibilidade de comprar serviços que lhes permitam aproveitar melhor a vida". E no conjunto desses serviços estão aviões particulares, iates, mordomos, cozinheiros, estilistas de moda, conselheiros para compras, piscinas que se transformam em pista de dança sob o toque de um botão, papel de parede em que as folhas das árvores se movem, etc.

Segundo Nicholas Candy, sócio de uma companhia de design de interiores com muito sucesso neste público, "a diferença entre o conceito de luxo no passado e hoje em dia é que agora ele diz respeito à experiência - o serviço -, enquanto que antes ele era bastante orientado para produtos".

O que pode ser importante para estas pessoas não é saber o quanto elas conseguem ao ter mais tempo disponível, mas que sentido dão a esse tempo e o quanto também estas sensações lhes permite uma vida mais plena. Seria muito pobre imaginar que este tempo serve apenas para consumir mais, ter ou apenas parecer diante dos outros.

Quem sabe os novos ricos possam ter, e proporcionar, vidas mais plenas, especialmente na medida em que ao desenvolver o ser, tornam-se instrumentos de transformação da sociedade em que vivem. Até para serem lembrados não pelo patrimônio que acumularem, mas pelo que deixaram como legado aos herdeiros e comunidade. Vale pensar e agir.

Bookmark and Share
Copyright © 2002 / 2014 HorusStrategy.com.br. Horus Strategy é marca registrada. Todos os direitos reservados.